Isenção para idosos

Isenção para idosos

IPTU

, O Estadao de S.Paulo

31 Março 2010 | 00h00

Tenho 62 anos e moro na Rua Sepetiba, na Vila Anglo Brasileira, Lapa. Ela foi tranquila até 3 anos atrás. Hoje motoristas trafegam por lá para fugir dos congestionamentos das Ruas Tonelero, Pio XI e Aurélia. Aumentou a violência e falta energia elétrica quando há tempestades. Não houve nenhuma melhoria, mas a Prefeitura aumentou o IPTU em 30%. Fui à subprefeitura para reclamar, mas não fui atendido. Minha mulher e eu somos aposentados e esse valor é um absurdo para pagarmos.

JAIME PEREIRA DE CASTRO / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal de Finanças informa que aposentados, pensionistas e beneficiários de renda mensal vitalícia, que não tenham outro imóvel no Município e que tenham rendimento mensal de até 3 salários mínimos, têm direito à isenção do IPTU. Explica que o interessado deve preencher o formulário fornecido na praça de atendimento da subprefeitura mais próxima. Esclarece que a base de cálculo é o valor venal do imóvel, que técnicos monitoram as transações do mercado e o resultado dos estudos é discutido e aprovado no Conselho Municipal de Valores Imobiliários (CMVI). Após a aprovação, os novos valores são incluídos no projeto de lei da Planta Genérica de Valores, que é discutido na Câmara Municipal. Informa que o munícipe pode pedir uma avaliação especial do imóvel, se acreditar que o valor é injusto ou inadequado. Informações podem ser obtidas no

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/financas/servicos/iptu ou na Praça de Atendimento do Viaduto do Chá, nº 206, de 2ª a 6ª-feira, das 8 às 18 horas. A Subprefeitura da Lapa tem a obrigação de atender bem os munícipes e assim o faz. Diz que, se o leitor não foi atendido no horário do expediente, deve informar sobre o ocorrido na subprefeitura e protocolar sua solicitação.

AYRTON SENNA

Pedágio nos dois sentidos

O trânsito piorou na Rodovia Ayrton Senna depois que passaram a cobrar pedágio nas duas vias. O risco de acidentes aumentou com a quantidade de caminhões parados na chegada do pedágio de Itaquá. Desde que a Ecopistas assumiu, o Sistema Sem Parar começou a apresentar problemas frequentes, fazendo com que os veículos parem de forma repentina. Também há um grande número de olhos de gato perto das praças de pedágio, que não deixam espaço para os ciclistas. Tudo isso ocorre também na praça de pedágio próxima à Guararema.

AUGUSTO ADERALDO NETO

/ MOGI DAS CRUZES

A Ecopistas esclarece que a adoção da cobrança bidirecional estava prevista no contrato de concessão e é a mais justa, pois o motorista só paga pelo trecho percorrido. Aqueles que optarem por viajar pela rodovia somente num dos sentidos não terão de pagar mais pela ida e pela volta. Diz que a mudança foi divulgada pela imprensa, por mais de 360 mil folhetos distribuídos e por 25 faixas nas rodovias. Mas, mesmo assim, alguns motoristas chegaram sem dinheiro para pagar o pedágio, formando filas. Informa que a velocidade máxima permitida no corredor é de 120 km/h e o tráfego de bicicletas se torna inviável por não atingir 50% dessa velocidade, não chegando a desempenhar a velocidade mínima exigida - fator que põe a vida dos usuários da rodovia em risco. Esclarece que obedece a legislação vigente, estabelecida pelo Denatran. Diz ainda que as cabines automáticas do Sem Parar só são fechadas para manutenção ou para atualização do sistema de arrecadação, que foi substituído e modernizado nos seis primeiros meses de administração da Ecopistas.

ANÁLIA FRANCO

Os problemas se repetem

A Prefeitura mudou o nome da Rua Antônio Alves Barril, no bairro Anália Franco, para José Alexandre Almeida Luís, sem consultar os moradores. Só descobri isso quando fui assinar uma revista. Agora terei de alterar a escritura de meu imóvel. Outros problemas são: não há bocas de lobo suficientes nessa rua; o esgoto de vários prédios é despejado no bueiro da esquina com a Rua Professor João de Oliveira Torres, que transborda formando poças d"água, esburacando ainda mais a rua. Alguns carros que passam pelo local têm a suspensão destruída ou o pneu furado. Alguns buracos são tão grandes que uma moto poderia ser sugada por eles.

DANIELLA ESCOBAR / SÃO PAULO

Luis Ribeiro, da Assessoria de Imprensa da Subprefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão, responde que a mudança de nome de uma via é de responsabilidade da Câmara Municipal de São Paulo. Informa que, após vistoria, foi identificada uma boca de lobo entupida com restos de construção, areia e pedra. Em 17/3, a equipe de serviços da subprefeitura fez a limpeza mecanizada do local e, em 19/3, uma nova vistoria constatou que a boca de lobo estava novamente entupida. Houve outra limpeza e a equipe de fiscalização está vistoriando as obras locais, em busca de irregularidades. O trabalho de tapa buraco foi feito no dia 26/3.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.