Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Irmãos que estavam desaparecidos foram amarrados e mortos em Caçapava

Ronei de Souza, de 43 anos, e Evanildo de Souza, de 40, foram amarrados e mortos a facadas; polícia suspeita de latrocínio.

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2018 | 01h15

SOROCABA - Os corpos de dois irmãos que estavam desaparecidos desde sexta-feira passada, 21, foram encontrados em uma área de mata, na noite desta quinta-feira, 27, na zona rural de Caçapava, interior de São Paulo. De acordo com a Polícia Civil, Ronei de Souza, de 43 anos, e Evanildo de Souza, de 40, foram mortos a facadas, depois de serem amarrados. A hipótese é de que eles tenham sido vítimas de latrocínio. Ao menos cinco suspeitos, entre eles um adolescente, já foram identificados.

Ronei e Evanildo trabalhavam como representantes comerciais e tinham deixado a cidade de Divinópolis, em Minas Gerais, para visitar clientes no Vale do Paraíba paulista. Em Caçapava, eles fizeram entregas em diversos estabelecimentos comerciais e, em alguns deles, receberam dinheiro, o que pode ter despertado a cobiça de ladrões.   

Como os irmãos não retornaram para casa, familiares entraram em contato com a polícia. As buscas começaram no sábado, 22. Um dos irmãos das vítimas, Ronildo Souza, refez o possível trajeto deles com a ajuda de um amigo e forneceu informações que levaram ao local onde os corpos foram deixados. Um helicóptero ajudou nas buscas.

Segundo a Polícia Civil, Ronei e Evanildo foram mortos no mesmo dia em que foram rendidos pelos suspeitos. A investigação aponta que uma mulher, que seria cliente deles, e três homens teriam combinado um assalto às vítimas. Um adolescente de 17 anos também participou do crime. 

Imagens obtidas de câmeras de monitoramento indicaram o local em que os irmãos foram atacados pelos ladrões. Ainda não se sabe se eles reagiram ao assalto e por isso foram mortos. Os suspeitos estão foragidos, mas o pedido prisão preventiva já foi encaminhado à justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.