IPTU de Guarulhos sobre até 516% e causa revolta

Segundo prefeitura, motivo do reajuste foi atualização da Planta Genérica

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2013 | 02h01

Moradores e donos de imóveis de Guarulhos, na Grande São Paulo, reclamam que o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) da cidade chegou a subir mais de 500% do ano passado para cá em alguns casos.

A prefeitura diz que o reajuste foi feito com base na atualização cadastral dos imóveis e da Planta Genérica de Valores (PGV) - defasada há 13 anos, segundo a administração.

"A cidade sofreu mudanças positivas nos últimos anos. Na Avenida Bom Clima, por exemplo, agora tem escola, creche. Não é apenas uma ação da prefeitura, é uma obrigação legal atualizar o valor venal desses imóveis", diz o secretário de Governo do prefeito Sebastião Almeida (PT), João Alberto Rocha Moraes. Além disso, de acordo com Moraes, muitos imóveis "passaram de 50 m² para 200 m²" e estão sendo recadastrados.

O "aumento médio" do IPTU foi de 35% - mas é difícil encontrar na cidade um reajuste nessa porcentagem. O corretor de imóveis José Roberto Neves Ferreira, de 48 anos, tem uma casa "pequena, de dois cômodos", no Jardim Santa Emília. Mesmo sem ter feito nenhuma reforma, ele viu seu IPTU subir de R$ 211 para R$ 1,3 mil, um aumento de 516%.

"A casa está exatamente igual, não mudei nada. Até para reclamar está difícil, porque a fila na prefeitura dá voltas, a maior bagunça. Entrei com pedido de revisão, mas já me adiantaram que não iriam resolver", conta.

O aposentado Luiz Carlos Roberto, de 63 anos, também reclama. "Minha casa é velha e o aumento foi de 47%, um absurdo".

O salto de R$ 700 para R$ 2,3 mil no IPTU do vendedor Marcelo de Souza (228%), de 41 anos, causou revolta. "É abusivo. Em São Paulo o reajuste foi de 5,4% e aqui chega a 500%? Como pode?".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.