Iphan tomba o serviço de bondes de Santa Teresa

Medida, ainda provisória, preserva traçado e um dos carros antigos, mas não impede futura modernização nem a ampliação do sistema

CLARISSA THOMÉ / RIO, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2012 | 03h05

Cartão-postal do Rio, o bonde de Santa Teresa foi tombado, em caráter provisório, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A portaria, publicada ontem no Diário Oficial, determina ainda a preservação de um dos carros. A medida não impede, no entanto, a modernização da linha, que vem sendo tocada pelo governo do Estado, desde agosto, quando um grave acidente deixou seis mortos e suspendeu o tráfego.

"Estamos defendendo esse tipo de transporte, que é bem significativo para a cidade do Rio. É um dos únicos sistemas que perduraram no nosso País. Na verdade, o instituto quer preservar o sistema de transportes e não os elementos físicos, que a gente entende que precisam ser modernizados", afirma a superintendente do Iphan no Rio, Cristina Lodi. O tombamento precisa ser ratificado pelo Conselho Consultivo do Iphan, o que não tem data para ocorrer.

A portaria do instituto preserva o traçado da linha do bonde, um percurso de cerca de 7,5 quilômetros que começa na Estação do Largo da Carioca, atravessa os Arcos da Lapa (bem já tombado pelo Iphan), segue até o Largo dos Guimarães, onde se bifurca em direção ao Largo das Neves e na direção do ponto denominado Dois Irmãos. E prolonga-se até o Silvestre. Protege ainda as estações de parada remanescentes, como a do Curvelo e a do Largo dos Guimarães.

O carro número 2 foi escolhido pelo Iphan para ser o símbolo dos bondinhos antigos. Não quer dizer que esse bonde entrará em linha, depois da modernização. O veículo poderá ficar em um museu, por exemplo, mas a forma como ele será preservado ainda não foi definida. "É claro que tem todo um diálogo com órgãos de patrimônio para que a gente tenha um sistema e não se distancie dos valores históricos, das próprias linguagens do bonde. Mas a gente não pode parar no tempo, ou permite que se repita o que ocorreu - desastres e um sistema que já estava obsoleto, inoperante", afirma Cristina.

Projeto. O governo do Estado concluiu em fevereiro o estudo de recuperação da linha. Previsto para custar R$ 110 milhões, o projeto prevê 14 bondes, trilhos novos, trajeto 30% maior - chegará a 10,5 km de extensão - e possibilidade de interligação com o Trenzinho do Corcovado.

A licitação foi suspensa judicialmente, a pedido da Associação de Moradores de Santa Teresa (Amast). Os moradores alegam que o novo projeto não respeita as características dos antigos bondes. A Secretaria de Transportes informa que, por segurança, foi preciso fechar as laterais do bonde, para evitar que as pessoas embarcassem e desembarcassem dos dois lados, o que colocava em risco a vida dos passageiros. A Procuradoria-Geral do Estado recorre da decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.