IPCC indica perigoso aumento do nível do mar

Oceanos estão mais ácidos e menos capazes de captar CO2, acelerando o efeito estufa

ANDREI NETTO , ENVIADO ESPECIAL / ESTOCOLMO , O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2013 | 02h07

Oceanos foram um dos domínios em que o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) sobre mudanças climáticas mais avançou nos últimos seis anos, segundo os cientistas. Graças à multiplicação de modelos mais complexos e confiáveis, a qualidade das constatações científicas permite hoje saber mais sobre o comportamento dos mares sob o efeito da elevação da temperatura da Terra.

De acordo com o relatório do IPCC, "desde o meio do século 19 o nível do mar cresceu mais do que durante os dois milênios anteriores", uma constatação que os experts consideram de "alta confiança". "No período 1901-2010, o nível médio do mar cresceu 0,19 metro. Em parte, o resultado é fruto da aceleração do derretimento de geleiras e da expansão térmica, fatores que, juntos, respondem por 75% do crescimento observado, outra conclusão da qual os cientistas estão convencidos.

Até o século 20, os oceanos vinham conseguindo absorver a maior parte do aquecimento da temperatura da Terra, reduzindo o impacto do aquecimento. Mas o limite está chegando e, com ele, o início de um círculo vicioso. A maior concentração de CO2 na atmosfera vem causando acidificação dos mares, que tende por sua vez a reduzir sua capacidade de captar CO2, acelerando o aquecimento global. Especialista no tema, o pesquisador Edmo Campos, do Instituto Oceanográfico da USP, diz que os mares demoraram a responder ao aquecimento. "Mas agora estão sendo atingidos pelos efeitos colaterais da ação do homem", ressalta.

Avanço. Para o pesquisador, em relação aos oceanos, houve avanço considerável na quantidade de informações no relatório do IPCC de 2013 na comparação com o de 2007. "Não foi encontrada uma novidade bombástica. Mas há mais informações que atestam que o oceano está passando por alterações em resposta a mudanças no sistema climático que são antropogênicas (promovidas pelo Homem)", diz Campos. Segundo ele, o levantamento permite concluir que o oceano está sofrendo alterações em várias de suas propriedades de clima pelo menos nos últimos 40 anos.

O oceano tem um papel importante para o equilíbrio do sistema climático. "O sistema climático é formado por vários componentes, como atmosfera, florestas, vulcões, sistema terrestre, hidrológico. O oceano é importante porque é formado por água, com elevada capacidade térmica, que exige uma grande quantidade de energia para alterar sua temperatura. Isso faz com que o oceano controle as variações do clima", diz.

Campos lembra que o ecossistema terrestre vem sofrendo alterações há muito tempo, mas que o sistema não está alterado de modo substantivo porque o oceano tem feito com que as alterações sejam mais brandas. "Mas, ao afetar o oceano, vamos diminuir a capacidade de regular alterações", alerta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.