Internos da Fundação Casa libertam funcionários em Franco da Rocha

Agentes foram soltos depois de duas horas; motim começou por volta das 8h e menores queimaram colchões e feriram um

Felpe Tau, O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2012 | 10h15

Atualizada às 10h40

SÃO PAULO - Internos da Fundação Casa de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, mantiveram oito funcionários reféns por duas horas na manhã desta segunda-feira,3, após uma tentativa de fuga frustrada. Os agentes ficaram sob o domínio dos menores das 8h às 10h, quando a direção da entidade conseguiu negociar a libertação do grupo. Um dos funcionários, o primeiro a ser solto, chegou a levar golpes na cabeça, mas não se feriu com gravidade, segundo a fundação. Ele foi socorrido por uma ambulância própria a um pronto socorro próximo.

No motim, os internos quebraram mesas, cadeiras e queimaram colchões na porta dos dormitórios - os pedaços de madeira foram usados como armas para intimidar os agentes. Um grupo de apoio cercou o complexo para impedir a saída dos menores e homens da Polícia Militar acompanharam a ação à distância.

De acordo com a Fundação Casa, a unidade de Franco da Rocha possui 60 internos e capacidade para 69. A corregedoria da entidade abrirá uma sindicância para apurar o ocorrido e verificar quais menores participaram da rebelião. Aqueles que tiveram envolvimento no motim poderão receber sanções que vão da redução do horário de visitas - normalmente de 4 horas por final de semana - ao cancelamento da saída para atividades fora da fundação - visita a museus, competições esportivas, entre outras.

A fundação informou que os menores foram para o dormitório, onde ficarão enquanto agentes fazem a revista geral e a inspeção nas instalações. O prejuízo com o incêndio ainda não foi estimado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.