Internautas postam vídeos no Youtube sobre terremoto em SP

Filmes publicados no site podem ser avaliados como flagras, entretanto, a maioria é bastante questionável

Da Redação,

23 de abril de 2008 | 13h21

Internautas da capital paulista e do litoral já postaram, durante a madrugada de terça-feira, 22, e a manhã desta quarta, 23, vídeos na web sobre o tremor de terra que atingiu a costa brasileira na noite de terça e que foi avaliado em 5,2 graus na escala Richter. Alguns desses filmes caseiros, publicados no site YouTube, podem ser avaliados como flagras do fenômeno natural, entretanto, a maioria é bastante questionável.   Veja também: Maior tremor do País em 10 anos surpreende especialistas 'Cadeira se moveu de um lado para outro', diz engenheiro No litoral, tremor assusta a população de Santos Moradores do Rio sentiram abalo por 2 segundos Os dez tremores mais intensos no Brasil     Um dos filmes postados no site tem a duração de 20 segundos e mostra um chaveiro pendurado em uma fechadura tremendo durante todo o vídeo. Em um outro com 31 segundos de duração no total, uma pessoa filma uma lâmpada de teto balançando por um pouco mais de 10 segundos.   Os flagras desses e de outros vídeos, contudo, podem ser questionados na questão do tempo, pois segundo foi relatado, o fenômeno - que teve reflexos em dezenas de cidades paulistas e em pelo menos quatro outros Estados - Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina - durou cerca de 5 segundos.   O epicentro do tremor de terça foi registrado no Oceano Atlântico a pouco mais de 200 quilômetros das cidades de São Vicente e do Guarujá, no litoral paulista. Segundo informações do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o abalo sísmico foi o maior registrado no País em dez anos. O último fenômeno dessa dimensão ocorreu em 1998 na região do município de Porto dos Gaúchos, em Mato Grosso.

Tudo o que sabemos sobre:
Youtubeterremototremor de terra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.