Interdição no entorno da Renascer deixa 15 pessoas desalojadas

Oito imóveis, sendo sete casas, foram interditados para vistoria de muro do local que corre o risco de desabar

Elvis Pereira, estadao.com.br

19 Janeiro 2009 | 17h51

A Defesa Civil deverá concluir nesta terça-feira, 19, a vistoria nas sete casas e no comércio situados no entorno da sede mundial da Igreja Renascer em Cristo, no Cambuci, centro de São Paulo. O teto do templo desabou no domingo, 18, matando 9 pessoas e ferindo 110. Cerca de 15 moradores estão desalojados e foram para as residências de parentes e amigos. Não há desabrigados.   Veja também: Lula está 'consternado' com desabamento na Igreja Renascer Após desabamento em igreja, Kassab quer secretaria especial Conselho de engenharia quer investigar obra em igreja Liberado trânsito na Rua Lins de Vasconcelos Casal Hernandes divulga nota sobre desabamento Igreja Renascer divulga lista das vítimas do desabamento  Galeria de fotos: imagens do local e do resgate às vítimas  Todas as notícias sobre o desabamento na Igreja Renascer     Os oito imóveis tiveram de ser interditados em razão do risco de um dos muros da igreja cair. Segundo a Defesa Civil, a liberação dos imóveis está condicionada ao futuro do muro, que poderá ser demolido ou consertado. A medida a ser tomada será indicada por um engenheiro da Subprefeitura da Sé, de acordo com a Defesa.   Desabamento   O teto igreja desabou completamente às 18h50 de domingo, no momento em que fiéis do culto das 17 horas saíam e outros chegavam para a celebração seguinte. Cerca de 400 pessoas estavam no local, que tem capacidade para 1.800 pessoas.   Quarenta viaturas do Samu e do Corpo de Bombeiros faziam o resgate dos feridos, que eram levados de ambulância - algumas vindas de outras cidades - para diversos hospitais da região. Uma pista improvisada para pouso de helicópteros também foi montada no local.  

Mais conteúdo sobre:
Igreja Renascer tragédia na Renascer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.