Integrante do PCC e outras 3 pessoas são presas em Carapicuíba

Abordados por policiais, grupo teria oferecido R$ 2 mil, armas e uma moto para não serem detidos

Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde,

19 de setembro de 2007 | 12h44

Dois homens e duas mulheres foram presos em Carapicuíba, na Grande São Paulo, sob suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas. Um dos detidos, identificado como Paulo Sérgio de Souza, o Serginho, de 38 anos, cumpria pena por roubo na Colônia Penal de Campinas, de onde teria escapado há oito meses. Ele seria membro do Primeiro Comando da Capital (PCC) na região de Carapicuíba. Por volta das 17h30 de terça-feira, 18, policiais militares do Canil de Osasco abordaram dois homens em uma moto com placas de Rio Claro, e solicitaram os documentos. Os PMs suspeitaram que uma das identidades podia ser falsa, por causa da numeração, que se assemelhava às de São Paulo, sendo que o documento teria sido emitido em Campinas. Com Serginho e o comparsa, Ricardo da Costa, de 35 anos, a polícia achou também porções de crack.  A dupla teria tentado subornar os policiais para se livrar da prisão, oferecendo R$ 2 mil, a moto e armas. Costa já cumpriu pena por roubo e homicídio, e Serginho teria contado aos policiais que cumpriu 18 anos de uma pena de 21 anos, mas que fugiria novamente da Colônia Penal de Campinas, se tivesse de voltar para lá. Os PMs pediram apoio à Força Tática do 14º Batalhão. Ao todo, sete homens foram até a casa da cunhada de Serginho, Tatiane Gonzaga, no centro de Carapicuíba. Lá, o criminoso teria pedido a Tatiane para buscar armas para entregar aos policiais. Quando voltava para casa, Tatiane foi presa em flagrante, carregando duas armas em uma sacola. Ela teria dito que as armas foram dadas pela mulher de Serginho, identificada como Michele Silva Santos e, então, levou os policiais até a casa do criminoso. Ao chegarem lá, por volta das 19 horas, viram quando Michele se preparava para deixar o local e entraram na residência. Com a ajuda de um cão farejador, os policiais encontraram uma pedra grande de crack em cima de um armário e mais uma arma, uma pistola calibre 380. Eles apreenderam também cerca de R$ 500 em dinheiro e munições para as três armas. Segundo os policiais, Serginho tentou suborná-los diversas vezes, até o momento em que chegaram à Delegacia de Carapicuíba. Os quatro serão indiciados por formação de quadrilha, porte de armas e tráfico de drogas.

Tudo o que sabemos sobre:
PCC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.