Integrante da Peruche é preso com granadas e fuzis

Um integrante da Unidos do Peruche foi preso ontem no barracão da escola de samba, no Limão, zona norte. Foram encontrados com ele dois fuzis AR-15 calibre 223, três granadas militares e cerca de 100 gramas de cocaína. A polícia investiga ligação entre o suspeito e o Primeiro Comando da Capital.

Marcelo Godoy e Rodrigo Burgarelli,

13 Julho 2011 | 01h02

A batida aconteceu na manhã de ontem, após denúncia anônima sobre entrega das armas. Uma viatura da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) foi tentar interceptá-la na Rua Coronel Euclides Machado, 224, local da denúncia. O endereço fica perto do barracão da Peruche. Lá, policiais viram um sujeito passando em uma moto vermelha e tentaram abordá-lo. Ele fugiu e jogou no chão mochila onde foram achados fuzis, carregadores e munição.

A polícia foi então ao endereço da denúncia, que seria a casa de Welisson Silva Santos, de 29 anos, conhecido como Wilsinho da Peruche. Ali, em dois quartos acima do barracão da escola, foram encontradas granadas e drogas. O suspeito foi preso e levado ao Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic). Ele foi autuado em flagrante por porte ilegal de armas e tráfico de drogas.

Welisson não tem passagem pela polícia. A reportagem não conseguiu encontrar o advogado do suspeito. Pelo Twitter, a diretoria executiva da Unidos do Peruche afirmou que "desconhecia" o que ocorria no local e repudia os fatos. Segundo a agremiação, Welisson seria apenas um "voluntário" e, portanto, a escola estaria "isenta" das acusações. "Nos colocamos à disposição do poder público para quaisquer esclarecimentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.