Instrumento de torcedor é o grito

Aquecimento global

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2012 | 03h02

A queda de Russomanno nas pesquisas está regulando com o volume das chuvas em SP! Isso quer dizer o seguinte: a se confirmar a previsão do tempo para a primavera, o candidato do PRB tem até alguma chance de não vencer o segundo turno!

Alerta diplomático

A trégua aparente na disputa pela soberania das ilhas Diaoyu/Senkaku pode estar com os dias contados: chineses planejam se infiltrar na torcida corintiana na invasão do Japão prevista para o início de dezembro. Será?

Ah, coitado!

Passa bem, Graças a Deus, o bebê que Mitt Romney segurou no colo no corpo a corpo republicano em Virgínia. O candidato à Casa Branca é quase tão sem jeito com crianças quanto com as palavras.

Serviço sujo

O julgamento do mensalão está tipificando uma nova modalidade de crime financeiro contra os cofres públicos: a "lavagem deslavada" de dinheiro é toda aquela que tem como agravante o descaramento de seus operadores!

Tchu tcha tcha

Virou febre na Bahia: todo mundo em Salvador quer tocar a 'caxirola' do Carlinhos Brown.

Que Deus os perdoe!

Ainda bem que a capa da Placar pegou Neymar para Cristo. Já pensou se compara o jogador a Maomé?

Nada contra a "caxirola" do Carlinhos Brown! Qualquer coisa inventada para substituir a vuvuzela nos estádios da Copa do Mundo é, a princípio, bem-vinda.

Mil vezes chocalhos a cornetas nas mãos do torcedor nas arquibancadas, mas quem disse que o insuportável instrumento de sopro sul-africano precisa de substituto no Brasil?

Nada contra, insisto, o caxixi de palha indígena estilizado em matéria plástica pelo músico baiano e agora chancelado pelo Ministério do Esporte como "instrumento oficial" do Brasil na Copa de 2014.

O turista estrangeiro, em especial, vai adorar saber que a Bahia inventou um souvenir rítmico mais prático de se transportar do que o berimbau (a caxirola do Carlinhos Brown cabe na palma da mão), mas por que ficar dando ideia de alternativas sonoras ao grito do torcedor nos estádios?

Na quarta-feira passada, o Flamengo distribuiu 30 mil apitos para a galera zoar o Ronaldinho Gaúcho no Engenhão e o resultado só não foi desastroso porque o Atlético Mineiro perdeu.

O rubro-negro que foi ao estádio não vai esquecer tão cedo aquela noite, até porque o zumbido no ouvido não deixa!

Mal

comparando

José Serra bem que podia ter ao menos conferido com seu dentista possíveis estragos provocados pelos beijos na boca que tomou de supetão anteontem em corpo a corpo no Bom Retiro. No passado, em circunstância bem parecida, o candidato se submeteu a uma tomografia de crânio depois de alvejado por uma bolinha de papel na cabeça, lembra?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.