Insegurança faz cair pela metade o total de passageiros

A insegurança nas estradas já reflete no número de lojistas interessados em viagens entre o Sul e a capital paulista. A empresária Eliana Comin, de 47 anos, é dona de uma empresa de turismo no sul catarinense que não teve ônibus assaltado. Mesmo assim, ela já notou uma redução de 50% no número de passageiros. "Também tive de mudar os horários das viagens para não pegar a estrada de noite e fugir dos ladrões, o que me fez perder alguns clientes.

Cida Alves, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2011 | 00h00

Os lojista do Sul estão entre os principais compradores do comércio popular do Brás e do Bom Retiro. Das 32 mil pessoas de outros Estados que fazem compras no Bom Retiro diariamente, metade é do Sul. No Brás, a maioria dos 120 ônibus que chegam todos os dias de fora da capital tem placas do Paraná, Rio Grande do Sul ou Santa Catarina. Os lojistas contam que, em cada viagem, compram em média R$ 5 mil de mercadorias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.