Inovação dos Correios não atinge serviço

Órgão oferece ao usuário site de mais fácil navegação, mas queixas contra falhas crescem

JERUSA RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2014 | 02h02

Os Correios lançaram na quinta-feira nova página na internet para adequá-la ao novo logotipo/marca da empresa. Mas, apesar da melhoria estética e aparente facilidade de navegação que o site oferece ao usuário, este ainda sofre com a falta de qualidade do serviço prestado.

Segundo dados do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), em 2013 foram registradas 551 queixas contra os Correios, apenas no Estado de São Paulo, ante 513 em 2012. As reclamações mais frequentes se referem a serviços não oferecidos, mal executados e impróprios, avaria ou extravio de correspondência e/ou mercadoria - problema sofrido pelo analista de telecomunicações Cleber S. Lionda, de 37 anos.

Sua mercadoria, comprada no exterior, foi roubada do carteiro em setembro. "Segundo os Correios, eu deveria aguardar seis meses e, caso o remetente não reclamasse o produto, teria direito ao ressarcimento", diz. "Mas o prazo já passou e nada foi feito."

Os Correios informam que, para ser ressarcido, ele deve enviar alguns dados, já solicitados, ao Fale com os Correios. O leitor reclama que, apesar de entrar várias vezes em contato com o SAC da empresa, só obteve essa informação no dia 20, e ainda não recebeu o dinheiro.

Segundo o advogado Josué Rios, mesmo diante do prazo referido nas normas postais internacionais, cabe destacar a violação pelos Correios do direito à informação. "Informar o consumidor não se resume a comunicações burocráticas e sumárias, mas informá-lo passo a passo de como agir", diz. "Independentemente da indenização referente à compra, os prejuízos sofridos pelo consumidor, em razão do não recebimento do produto, devem ser reparados não só pelo fornecedor estrangeiro, mas também pelos Correios, cuja responsabilidade é solidária, até mesmo porque o produto foi subtraído quando já estava em poder dos Correios."

Produto sumiu. Em 28 de março, o leitor José R. Garzillo enviou uma encomenda de São Paulo a Salvador pelo sistema PAC dos Correios, cujo prazo de entrega é de 5 dias úteis, mas se passaram quase 2 meses sem que soubesse o motivo da sua não entrega. "O status que aparece no site para acompanhamento é o mesmo desde a postagem."

Os Correios informam que a encomenda será devolvida ao remetente, em razão de endereçamento incorreto.

Segundo a assessora técnica do Procon-SP Fátima Lemos, se havia incorreção no endereço de entrega, os Correios deveriam ter entrado em contato com o consumidor logo em seguida, jamais esperar tanto tempo para isso. "O consumidor pode reclamar no Procon a falta de prestação efetiva do serviço ou entrar na Justiça Federal contra os Correios, pedindo a devolução do valor pago e ainda de todos os prejuízos e despesas adicionais sofridos", orienta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.