Inocentes no meio do tiroteio: idoso, mulher e menina estão entre as vítimas

Eles foram atingidos em confronto de traficantes e policiais do Bope na Vila Cruzeiro: moradores ainda foram baleados à noite

Pedro Dantas / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

O intenso tiroteio de ontem entre policiais e traficantes na Vila Cruzeiro, Penha, zona norte do Rio, resultou em mortes de civis sem nenhuma relação com o confronto, incluindo uma adolescente voltando da escola, um idoso e uma mulher. A incursão policial começou pela manhã, com 100 homens de 6 batalhões na Vila Cruzeiro e nos Morros da Fé, do Sereno, Caixa D"Água e Chatuba, que integram o Complexo da Penha.

Um dos três atingidos nesse primeiro confronto foi o empresário Álvaro Lopes, de 81 anos, baleado no braço direito. "Estava no pátio da empresa e os empregados gritaram para que entrasse. O caveirão (carro blindado da PM) passou, ouvi os tiros e apenas senti o braço ardendo", disse Lopes. Ele foi liberado logo em seguida. À tarde, após a chegada do Bope, o confronto ficou concentrado na Vila Cruzeiro. O comércio fechou nas Avenidas Brás de Pina e Nossa Senhora da Penha. Do alto da Igreja Nossa Senhora da Penha, homens com radiotransmissores em frequência aberta informavam a posição dos policiais para comparsas no interior da favela. Na troca de mensagens, os traficantes se despediam com a frase "UPP é o c...", em referência à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Caveirão atacado. Na parte da tarde, na ofensiva do tráfico, o blindado do Bope acabou com o motor inutilizado após ser atingido por dois coquetéis Molotov dentro da Vila Cruzeiro. O tiroteio intensificou-se. Feridos e mortos chegavam rapidamente ao hospital.

Estudantes que saíam da escola também se tornaram alvos das balas. Rosângela Barbosa, de 14 anos, foi morta com um tiro nas costas. O mesmo quase ocorreu com Bárbara Carolina Oliveira Silva, de 16 anos. Ela também levou um tiro nas costas e seguia hospitalizada à noite, em observação.

Já Janaína Romualdo dos Santos, de 43 anos, morreu durante o atendimento médico. Em seguida, um homem pardo, de 60 anos, ainda não identificado, não resistiu aos ferimentos e morreu no centro cirúrgico. Além deles, Rafael Felipe Aurídes Gonçalves, de 29 anos, chegou morto ao hospital - com tiros em rosto, cabeça e tórax.

O intenso tiroteio perdurou até o início da noite. E os feridos continuavam chegando. A lista incluía José Ricardo Rodrigues Lopes, de 32 anos; Silvio de Souza Santos, de 39; Antonio da Rocha, de 68; Gerson Rodrigues de Oliveira, de 26; Kelly Regina Borges Santos, de 25; Aline Soares de Oliveira, de 28; e Pâmela Evangelista de Matos, de 22.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.