Marcel Naves/Estadão
Marcel Naves/Estadão

Informe onde há carros abandonados na Grande São Paulo

Mande foto e endereço com a hashtag #carroabandonadoestadao nas redes sociais e contribua com o mapa interativo

O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2016 | 15h29

SÃO PAULO - Tem algum carro abandonado na sua rua ou no seu bairro que atrapalha a circulação e pode se tornar um foco de doenças? Já denunciou a situação do veículo para a Prefeitura, mas ele continua no mesmo lugar? Mande uma foto e a localização do carro para o Estado. A reportagem está montando um mapa interativo dos endereços na região metropolitana de São Paulo onde há veículos deixados nas ruas.

Para participar, envie a foto e a localização do carro com a hashtag #carroabandonadoestadao no Instagram, no Twitter ou no Facebook.

Fiscalização. Na capital paulista, é proibido abandonar veículos em vias públicas por mais de cinco dias consecutivos. Para denunciar, o cidadão deve entrar em contato com a Prefeitura pelo telefone 156, pelo Sistema de Atendimento ao Cidadão (SAC) ou pessoalmente nas praças de atendimento.

Ao averiguar a denúncia, o fiscal verifica junto à polícia e aos órgãos de trânsito se o carro é produto de crime ou se tem alguma pendência judicial. Caso não haja nenhum empecilho legal, é fixada no veículo uma notificação estabelecendo o prazo de cinco dias úteis para a sua retirada.

Se o prazo expirar o prazo e o não houver pronunciamento por parte do proprietário, o veículo é removido pela subprefeitura da região.

Os veículos recolhidos são levados a um dos 28 pátios administrados pela Prefeitura. Para reaver o veículo, o proprietário deverá pagar uma multa de R$ 14 mil e quitar todos os débitos pendentes, como multas e Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Além disso, deverá pagar a taxa do guincho e as diárias de estadia.

Caso não seja retirado pelo proprietário, o veículo é encaminhado para leilão. As subprefeituras realizam leilões calculando estimativas de pesagem e valores das sucatas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.