Informatização segue. Devagar

Curiosidades da metrópole

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

18 Julho 2011 | 00h00

Com 100 mil títulos no acervo, a biblioteca do Mosteiro de São Bento, no centro de São Paulo, está sendo informatizada desde 2002. A ideia é que todas as obras sejam organizadas em um catálogo eletrônico, facilitando as pesquisas. O trabalho, entretanto, é feito com "aquela calma beneditina", como frisa o monge-bibliotecário João Baptista. Até agora, foram catalogados 16 mil livros - se continuar nesse ritmo, o acervo demorará meio século para estar totalmente informatizado.

A biblioteca dos beneditinos é a mais antiga da cidade. Existe desde que a instituição religiosa chegou a São Paulo, em 1598. Isso porque a Regra de São Bento, conjunto de normas da vida monástica, determina que os monges se entreguem diariamente ao trabalho e aos livros. Ou seja: todo mosteiro beneditino já nasce com uma biblioteca.

Entre as preciosidades do acervo está uma edição do Novo Testamento datada de 1496, seis incunábulos - livros rudimentares, dos primórdios da imprensa - e 581 obras publicadas entre os séculos 15 e 18.

QUEM FOI?

HORÁCIO SABINO

(1869-1950)

EMPREENDEDOR IMOBILIÁRIO

Taquígrafo, editor, advogado e empreendedor imobiliário, Horácio Sabino herdou uma extensa área de terra onde hoje fica o bairro de Cerqueira César, nas imediações da Avenida Paulista. Construiu a casa onde viveria e decidiu lotear o restante. O novo bairro foi batizado de Vila América, em homenagem a sua mulher, América. Sabino ainda foi sócio da Companhia City e empreendeu a urbanização da região onde atualmente se localiza o Jockey Club.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.