Informações omitidas

TAM E TAP - PROGRAMA DE FIDELIDADE

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2012 | 03h04

Em janeiro cotei passagens para vir da Bélgica ao Brasil e optei pela TAP, que faz parte da Star Alliance e, assim, eu teria pontos no programa de fidelidade da TAM. Voltei para a Bélgica, em maio, e nada dos pontos. Escrevi para a TAM e a atendente explicou que eu tinha comprado um bilhete da categoria "K", que não dá direito à milhagem. No site da TAM, porém, descobri que a categoria "K" pontuava, sim! Descobri ainda que a passagem não é identificada em momento algum como pertencente à categoria "K". Voltei a escrever para a TAM e a atendente reconheceu que eu tinha direito à pontuação e disse que a TAP era a responsável por indicar a categoria. A TAP, por sua vez, apenas disse que eu não deveria me sentir lesada. Resumindo: a TAM empurra o problema para a TAP, que não dá satisfação.

ANA CRISTINA SUZINA / SÃO PAULO

A TAP informa que a TAM é quem decide qual bilhete será pontuado em seu programa de fidelidade.

A TAM explica que o acordo com a TAP prevê crédito de pontuação diferenciado, conforme a tarifa do bilhete. A viagem de ida da leitora ocorreu quando sua tarifa não pontuava. Já o retorno garantia metade da pontuação, seguindo alteração nas condições da parceria.

A leitora reclama: O problema é que, ao comprar o bilhete, não há informação sobre sua categoria, ou seja, comprei a passagem sem ter todas as informações necessárias para saber se teria ou não direito às milhas. Quem assume o custo da má informação prestada sou eu.

TELEFÔNICA/VIVO

Atendimento não funciona

É impressionante o descaso da Telefônica/Vivo com o cliente - descaso, aliás, associado ao desrespeito à legislação. Tenho um pacote de serviços no litoral e nos dois pontos de TV a cabo há problemas no decodificador, que não recebe o sinal do controle remoto. Em abril, tentei solicitar assistência técnica e a atendente apenas disse que não podia registrar a queixa porque o sistema estava fora do ar. Em 3/6 fiz duas ligações para o 10315. Na primeira, esperei 1 hora sem ser atendido; na segunda, duas horas e também não fui atendido! O 10315 é simplesmente inútil.

JACI CORRÊA LEITE / SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informa que, após ajustes técnicos, o Vivo Speedy do leitor está funcionando normalmente. O cliente será ressarcido do valor correspondente ao período em que o serviço apresentou problema.

O leitor comenta: O defeito nos aparelhos foi resolvido, mas a questão do não atendimento para solicitar assistência técnica não.

VIVO TV

Técnico não apareceu

Sou assinante da TVA (Vivo TV) e, em 5/6, fiquei sem sinal de TV. Agendei uma visita para o dia 7/6, mas o técnico não veio e mentiu, dizendo que tinha feito a visita no dia anterior. Ora, se agendei para o dia 7, por que ele viria no dia 6? Reclamei na ouvidoria e agendei outra visita para 16/6. O técnico mexeu na área comum do prédio, mas nem sequer subiu no meu apartamento e foi embora sem resolver o problema. Mais uma visita agendada e, surpresa, o técnico não apareceu! Cansei de tanto descaso e cancelei o serviço!

DANIELA RESSIA E S. DA SILVA

/ SÃO PAULO

A Vivo TV informa que está apurando os fatos internamente para evitar que este tipo de situação ocorra novamente.

A leitora reclama: Cancelei o serviço porque não gosto de ser maltratada, ignorada e desrespeitada. Talvez assim, perdendo o cliente, eles façam algo para melhorar os serviços.

UNIRADIAL

Diploma não saiu

Gostaria de reclamar da Faculdade Estácio de Sá. Em 2008 me formei e solicitei o diploma. O problema é que ele não saiu até agora! Ligo, mando e-mail e ninguém responde. Estou fazendo pós-graduação e não poderei me formar, se não apresentar o diploma da faculdade.

BEATRIZ BRITO DA SILVA

/ SÃO PAULO

A Uniradial informa que, em 25/6, a secretaria da unidade Brooklin fez contato com a aluna, informando que seu processo está em análise e que fará novo contato tão logo tenha uma nova posição.

A leitora responde: Após quatro anos de espera, recebo essa resposta, e isso por causa da intervenção da Coluna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.