Informações desencontradas

HOSPITAL SÃO PAULO

O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2012 | 03h10

Meu irmão sofreu um acidente no dia 4/9 e levei-o ao Hospital das Clínicas. O médico afirmou que seria preciso passar por uma cirurgia e a assistente social avisou de uma vaga aberta no Hospital São Paulo (HSP), na Vila Clementino. Pediram que meu irmão estivesse no HSP no dia 11, às 10 horas, em jejum, para ser operado. Ao chegar lá, porém, um funcionário foi logo falando: "Se for cirurgia, já vou avisando que não vai ser feita hoje, só na semana que vem". Meu irmão, com o braço quebrado em três partes, chegou ao HSP às 9h45 e, até o meio-dia, ainda não havia passado pelo médico, que estava numa reunião.

MARIO BRITO DA SILVA FILHO / SÃO PAULO

O Hospital São Paulo esclarece que o paciente foi agendado pela regulação Hospital das Clínicas para avaliação da equipe médica do Ambulatório da Casa da Mão da Unifesp/HSP no dia 11/9. O que ocorre é que o acompanhante do paciente acreditava que o procedimento agendado já seria cirúrgico, mas nenhum paciente, mesmo encaminhado por outro hospital, passa por cirurgia sem avaliação da equipe responsável e a realização de exames pré-cirúrgicos. Em 14/9 o paciente passou em consulta, foram avaliados os exames e agendada a cirurgia.

O leitor comenta: A cirurgia foi feita, mas quem acha normal deixar um paciente com o braço quebrado por quase 20 dias? O próprio Hospital das Clínicas informou que a cirurgia seria no dia que demos entrada na Casa da Mão. Gostaria de salientar também que, quando o levei ao Hospital das Clínicas no dia 4, tivemos de ouvir que deveríamos esperar o feriado acabar para saber como ficaria a situação. Um absurdo!

TAM VIAGENS

Multa por erro da loja?

Comprei uma passagem para Zurique na loja TAM Viagens do Shopping Villa-Lobos. Entreguei meus documentos, mas, quando a passagem foi emitida, meu nome estava errado. Fui informada pela atendente que a única forma de resolver o problema seria pedir o cancelamento do bilhete, solicitar o reembolso da passagem que eu já havia pago e, depois, emitir outra pagando uma multa. Por que eu tenho de ser castigada por um erro de um funcionário da loja da TAM? É inaceitável este procedimento.

ANNA BEATRIZ GONÇALVES /

SÃO PAULO

A TAM diz que entrou em contato por e-mail com a leitora para informá-la que solicitou o reembolso integral da passagem à administradora do cartão. A emissão de um novo bilhete com o nome correto da cliente foi providenciada.

A leitora comenta: Só soube do posicionamento da TAM pela Coluna - não recebi nenhuma resposta direta da companhia. Se a TAM realmente cumprir com o que foi prometido, o problema está resolvido. Vou aguardar o reembolso.

JARDIM PAULISTA

Escritório em rua residencial

Moro no Jardim Paulista numa rua estritamente residencial. Essa rua vai até a Avenida Brigadeiro Luís Antônio e, numa esquina, está em fase de acabamento um novíssimo sobrado de um escritório de advocacia, que, sabidamente, utilizou um pedaço do endereço que faz esquina com a Brigadeiro Luís Antônio para dar entrada na aprovação da Prefeitura. O que está revoltando os moradores do bairro é que eles fizeram um espaço para estacionamento voltado para a rua onde moro. Já reclamei na Subprefeitura Pinheiros há mais de 60 dias, mas não tomaram providências. Esta rua já serve para o estacionamento de laboratórios localizados na Brigadeiro Luís Antônio que também não tem nenhuma fiscalização da Prefeitura.

C. G. / SÃO PAULO

A Subprefeitura Pinheiros informa que a obra localizada na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 4.486, possui processo de alvará de aprovação e execução de reforma, até a presente data em análise na Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), com direito à execução das obras solicitadas. Esclarece que, somente após parecer conclusivo efetuado pela Sehab, é que será realizada vistoria técnica para verificar, em caso de deferimento, se a obra cumpre ao projeto aprovado. Caso contrário, a intervenção terá de ser regularizada.

O leitor relata: O prédio está praticamente concluído e nossa reclamação vem desde o início da construção, há oito meses. Como é possível um enorme estacionamento ser voltado para uma rua estritamente residencial? Eles são tão espertos que entraram com o alvará no endereço da Brigadeiro Luís Antônio, cuja frente do terreno mede 2 metros. Já o terreno que dá para a nossa rua mede pelo menos 12 metros!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.