Informação desencontrada

TAM - TARIFAS PROMOCIONAIS

O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2012 | 02h05

Em 20/10 entrei em contato com a TAM para adquirir 2 bilhetes promocionais de São Paulo para Miami. Mas, para conseguir o desconto, tínhamos de adquirir 2 bilhetes em conjunto. No site, no entanto, não havia como fazê-lo e, assim, tivemos de comprá-los separadamente. Ao entrar em contato com o Fale com o Presidente para oficializar a aquisição das passagens reservadas, começou o martírio. Os atendentes me deixaram mais de 1 hora no telefone e estavam totalmente perdidos quanto aos procedimentos. Primeiro, disseram que o valor estava por volta de R$ 4 mil; depois, abaixaram o valor e pediram para aguardar até o dia 28/10. Nesse dia, deram um prazo até o dia 30. Ainda aguardo a solução desta pendência. O descaso é total!

JOSÉ MARCOS S. V. PELLEGATTI / SÃO PAULO

A TAM, por meio do Fale com o Presidente esclarece que, eventualmente, lança promoções que são oferecidas exclusivamente no site da TAM. Com exceção dessas promoções pontuais, todas as demais tarifas são ofertadas igualmente em todos os canais de venda (site, call center, lojas e agências de viagens). O que pode acontecer, em determinadas situações, é que no momento da emissão do bilhete do cliente pelo site há disponibilidade em uma tarifa mais barata, porém, quando é feito o contato com a nossa Central de Vendas, esta mesma tarifa já pode ter sido adquirida.

O leitor discorda: O que a TAM afirma não tem respaldo algum na informação dada por seus atendentes, quando da reserva feita. Pedimos a gravação da conversa telefônica, mas a empresa disse não ser possível e que o caso já estava encerrado.

MORUMBI

Praça abandonada

Solicito, como moradora do Morumbi, providências do poder público municipal em relação à Praça Sérgio Vieira de Mello (no cruzamento das Ruas David Bem Gurion com a Crésilas). O local precisa de manutenção, reparo e cuidado permanente. A praça foi construída com todos os equipamentos, mas o total descaso com a manutenção impossibilita o seu uso pelos moradores, quer pela falta de limpeza, quer pela falta de iluminação e pavimentação da rua. Todo o investimento despendido com tal equipamento público se vem deteriorando dia a dia! Outra medida urgente é a pavimentação da Rua Crésilas.

VERIDIANA GERBASI / SÃO PAULO

A Secretaria de Serviços, por meio do Departamento de Iluminação Pública (Ilume), informa que uma equipe de técnicos foi encaminhada à Praça Sérgio Vieira de Mello para a análise e elaboração de um estudo luminotécnico. A Subprefeitura Butantã diz que a capinação da praça segue um cronograma de serviços e a próxima intervenção deve ocorrer em dezembro.

A leitora revela: Nenhuma análise técnica foi feita até o momento. E a Prefeitura não apresentou nenhum cronograma. O local está abandonado.

RUA SEM CALÇAMENTO

Disputa por espaço

A Rua Vigário João de Pontes - apesar de ser mão dupla, com tráfego intenso, ligando a Av. Washington Luís com a Adolfo Pinheiro - não possui calçada. As pessoas que se dirigem ao trabalho ou aos dois colégios da região disputam um espaço estreito de terra molhada, escorregadia e têm de dividir a via com carros, postes de luz e árvores. A Prefeitura não multa os proprietários de casarões responsáveis pelas calçadas?

MARIA PAZ PAIXÃO / SÃO PAULO

A Subprefeitura Santo Amaro

informa que já está previsto no orçamento de 2013 a implantação de guias e sarjetas na Rua Vigário João de Pontes. A partir daí, os proprietários serão intimados

a executar o passeio público,

conforme determina a legislação.

A leitora diz: Só resta esperar que algo realmente seja feito.

TURISMO DIFERENTE

Burocracia pública

A Embratur deveria promover um tipo de turismo temático, que certamente aumentaria muito o número de turistas no Brasil: um passeio à Idade da Pedra. O programa consistiria em visitas às nossas repartições públicas, autarquias e estatais. Tive esta ideia ao retirar uma encomenda numa agência dos Correios. Tive de pôr meu nome (não assinatura) e RG em 3 papéis diferentes e fui obrigado a pagar em dinheiro. Além disso a senha de outro cliente era repetida, várias vezes, em voz alta, apesar de haver um display para isso. Imagino que todo brasileiro tenha sugestões para incrementar o programa. Fica a sugestão.

MARIO SILVIO NUSBAUM

/ SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.