Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

''Infiltrados'' pesquisam o amor na web

Grupo da UFRJ criou perfis falsos em sites de relacionamento, como um exclusivo para virgens

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2011 | 00h00

Uma foi aceita em site que seleciona participantes pela beleza. Outro usou versículos da Bíblia para se dar bem no "xaveco evangélico". Teve a que não passou no crivo rígido dos que só se relacionam com quem (ainda) não fez sexo. Em compensação, um dos rapazes só passou a se comunicar quando postou foto de um órgão sexual (capturada na internet).

Eles são os infiltrados. Um grupo de 25 anos alunos da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que fez neste ano perfis falsos em mais de duas dezenas de sites de relacionamento para "compreender o amor nos tempos da internet", nas palavras da professora e coordenadora de Jornalismo, Cristiane Henriques Costa.

A pesquisa P@r Perfeito, projeto de pós-doutorado de Cristiane, estará em jornal, livro multimídia, blog e aplicativo para iPad, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). Por enquanto, o making of pode ser acompanhado no www.blogparperfeito.blogspot.com. "A ideia é que o leitor mergulhe nesse mundo paralelo. Mesmo sem entrar nos sites de relacionamento, ele poderá conhecer e acompanhar os diálogos que permitiram a pesquisa", diz Cristiane.

Segmentação. A jornalista começou a pesquisar o amor virtual há cinco anos. Surpreendeu-se com o grau de segmentação, mais recente. Há, por exemplo, sites para casados que querem pular a cerca, como o Second Love. Já o SexNation permite que participantes troquem fotografias em posições eróticas. Tudo é mostrado, menos o rosto.

"O primeiro passo é orar, o segundo, procurar" é o lema do Amor em Cristo, que pretende unir evangélicos.

Há ainda sites para gordinhos, gays, para os que têm mais de 40 anos, para feios, para lindos - no Beautiful People, o novo integrante publica a foto e precisa da aprovação dos demais internautas. "Este chegou a sugerir, nos Estados Unidos, a criação de um banco para venda de óvulos e esperma, uma proposta de eugenia que não foi adiante", diz Cristiane.

Já no We Waited, no qual estão inscritos pouco mais de cem brasileiros, para ser aceito é preciso fazer parte de uma das duas categorias: "100% virgem" ou "inferior a 100%". Até os egoístas têm chance de encontrar a cara-metade no Attlasphere, criado por fãs da escritora Ayn Rand, cujas obras pregam o individualismo, o egoísmo racional e o capitalismo - este não faz parte da pesquisa do P@r Perfeito: foi descoberto quando os pesquisadores já estavam "em campo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.