João Doria/Twitter
João Doria/Twitter

Incêndio na Amazônia invade a pauta comercial do governo de SP no Japão

Tema foi abordado pela imprensa japonesa durante a visita de Doria. 'Brasil está fazendo todo o possível para evitar os incêndios'

Fatima Kamata, especial para o Estado

18 de setembro de 2019 | 05h00

TÓQUIO - A Amazônia acabou virando tema de conversa no primeiro dia da missão comercial do governo de São Paulo no Japão. A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, demonstrou interesse pelo assunto, assim como a imprensa japonesa que noticiou a vinda do governador João Doria (PSDB) ao país e a situação na floresta amazônica.

“Eu tenho defendido que o Brasil está fazendo todo o possível para evitar os incêndios. Mas eu tenho,  por obrigação, defender meu Estado. São Paulo não tem desmatamento, queimada, nem invasão em sua área de reserva e nos parques florestais. Aliás, a cobertura vegetal cresceu nesses dois últimos anos”, disse o governador.

João Doria apresentou para a governadora de Tóquio, modelo de cooperação bilateral de manutenção do Centro Paraolímpico Brasileiro e a criação da Casa de São Paulo na capital japonesa, seguindo os moldes da Japan House instalada dois anos atrás na avenida Paulista. “Queremos montar um centro cultural e de convivência que preserve a história e a memória dos mais de 100 anos de imigração japonesa”, declarou o governador.

Em Tóquio, existe uma entidade que resguarda um pouco desse elo humano entre os dois países. Criada em 1932, a Associação Central Nipo-Brasileira reúne japoneses que tiveram alguma experiência de negócio com o Brasil. O secretário-geral Jiro Miyata, por exemplo, foi executivo da Sumitomo Corporation na América do Sul durante 14 anos e morou em São Paulo entre 2004 e 2008.

“Adoramos o Brasil, por isso dedicamos nosso tempo para falar desde política, economia brasileira, até cultura.” Ao todo a entidade tem 130 membros corporativos e 400 individuais que participam de seminários, editam boletins e promovem encontros para falar sobre um único tema: Brasil.

Miyata retornou à matriz da Sumitomo em 2008, no ano do centenário da imigração japonesa no Brasil. “A conduta dos quase 2 milhões de nipo-descendentes que vivem lá levou à criação da expressão “japonês garantido né”, e isso nos ajuda muito a fazer negócios com os brasileiros”, diz.

Desde 1973, o governo de São Paulo já assinou 21 acordos de cooperação com o Japão em setores variados. Agora, os paulistas pretendem priorizar projetos com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) nas áreas de agronegócio, meio ambiente, segurança pública e defesa civil. “O Japão tem muita experiência em técnicas de salvamento, face a terremotos e situações que enfrenta relacionadas ao clima, e receberá representantes da Defesa Cilvil e do Corpo de Bombeiros paulista. Em segurança pública, representantes da Polícia Militar terão acesso a tecnologia e equipamentos japoneses para aperfeiçoar o trabalho que já é feito em São Paulo”, disse Doria.

A cooperação econômica do Japão com o Brasil através da Jica completou 60 anos. Atualmente, por meio da Sabesp, a agência mantém projetos nas áreas de fornecimento de água e saneamento básico em São Paulo. “Vamos aumentar essa cooperação para despoluição dos rios (Tietê e Pinheiros) com novas tecnologias”, declarou o vice-presidente da Jica, Kazuhiko Koshikawa.

Oportunidade

No encontro com o presidente da Japan Bank for International Cooperation (JBIC), Nobumitsu Hayashi, a delegação paulista apresentou o plano de desestatização do governo de São Paulo. Atualmente, o Estado possui 21 grandes projetos de concessão e PPPs (parceria público-privadas) em andamento com potencial de investimento da ordem de R$ 40 bilhões.

A agenda de reuniões da comitiva paulista até sexta-feira visa ampliar os negócios já existentes no Estado de São Paulo. Porém, os japoneses têm sido comedidos em seu entusiasmo devido a experiências passadas.

Nos 15 anos em que esteve na Sojitz do Brasil, quatro deles como presidente da filial brasileira, o executivo Satoshi Awaya diz viveu três períodos distintos. No final dos anos 90 e início de 2000, ele ficou no Rio de Janeiro e diz que acompanhou a boa fase do setor petroquímico. Entre 2008 e 2012, o destaque foi a agroindústria. “Mas a última vez, entre 2015 e 2018, foi o período mais amargo que passei no Brasil, por causa do cenário nacional.”

A Sojitz é uma trading focada em agricultura, máquinas e projetos de infraestrutura. Ela foi formada a partir da união da Nichimen e da Nissho Iwai, companhias centenárias no Japão, e iniciou as atividades no Brasil com importação de minério de ferro, em 1955. Os próximos negócios serão nos setores automobilístico, de energia, agricultura, transporte, logística e industrial.

Nesta quarta-feira, a comitiva do Estado de São Paulo terá café da manhã na Embaixada do Brasil, em Tóquio, com investidores japoneses. Em seguida, deverá se reunir com a diretoria da Mitsui e da NEC. O último compromisso do dia será com a diretoria da Toyota, que no dia seguinte fará anúncio oficial de um novo modelo de carro para ser produzido em sua fábrica no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.