Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Incêndio destrói casa histórica na Vila de Paranapiacaba, em SP

Imóvel estava vazio e ninguém ficou ferido; maioria das construções da antiga vila datam do século 19

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2019 | 14h37

SÃO PAULO - Um incêndio atingiu na madrugada de sábado, 27, uma casa da antiga Vila Ferroviária de Paranapiacaba, em Santo André, na região metropolitana de São Paulo. O imóvel estava vazio e ninguém ficou ferido.

A antiga casa ficava próxima do Museu Castelhinho, umas das principais atrações turísticas da região. A vila é um dos quatro únicos conjuntos urbanos do Estado de São Paulo tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A residência afetada não era tombada, contudo, em nível federal.

Por volta das 5 horas, a ocorrência foi registrada no Corpo de Bombeiros, que enviou cinco viaturas até o local. O fogo foi extinto cerca de duas horas depois. 

De origem inglesa, Paranapiacaba foi erguida no século 19 junto ao Centro de Controle Operacional da companhia de trens São Paulo Railway. Hoje, é uma das principais atrações turísticas de Santo André, tanto pelos eventos culturais que costuma sediar (como o Festival de Inverno) quanto pela paisagem histórica, muitas vezes encoberta pela neblima típica da região.

O local é conhecido especialmente pela Vila Martin Smith, que reúne casas de estilo ingês e paredes em madeira avermelhada. Segundo o Iphan, até a década de 40, os moradores de Paranapiacaba viviam em comunidade e mantinham as ruas arborizadas, situação que entrou em decadência com o fim da concessão da São Paulo Railway anos depois. Grande parte da área foi adquirida pela Prefeitura Municipal de Santo André em 2002. 

"A vila e seu entorno formam uma porção de território de grande importância histórica e ambiental, que registra uma época da influência da cultura inglesa, com destaque para a arquitetura e a tecnologia", descreve o site do Iphan. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.