Incêndio criminoso em ônibus deixa três feridos na zona leste da capital paulista

Motorista, cobrador e passageira foram os últimos a conseguir deixar o coletivo, que ficou destruído

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo,

21 de agosto de 2012 | 04h42

Atualizado às 5h40

 

SÃO PAULO - Três pessoas ficaram feridas, na noite de segunda-feira, 20, em razão de um ataque incendiário contra um ônibus da Viação Itaim Paulista (VIP), no Jardim Lajeado, zona leste da capital paulista. A ação criminosa ocorreu na altura do número 5.930 da Avenida Nordestina, segundos após o veículo, que fazia a linha 2059 (São Miguel Paulista - Guaianazes), parar em um ponto.

 

O inspetor Josué Bentson, da empresa VIP, afirmou quem, de acordo com relato de testemunhas, o coletivo havia parado, atendendo a uma solicitação de supostos passageiros, quando alguns de um grupo de cerca de 10 adolescentes invadiram o ônibus e ordenaram que todos os quase 50 ocupantes descessem. Em seguida, jogaram um produto químico e atearam fogo. "O motorista nosso, infelizmente, ficou preso ao cinto de segurança. Uma usuária, com deficiência física na perna, teve dificuldade de se locomover. O cobrador pulou a catraca, tentou ajudá-la e os três sofreram ferimentos. Infelizmente, o motorista e a deficiente física estão em estado que inspira cuidados.", relatou o inspetor.

 

Cinco equipes dos bombeiros apagaram as chamas, mas o ônibus ficou completamente destruído. Os feridos foram levados pelos resgates para os prontos-socorros de São Mateus e do Tatuapé. O motorista, Jefferson Alves da Silva, de 31 anos, teve queimaduras de 2º grau no rosto, braços e pernas, e o estado dele é grave. André Sales, o cobrador, sofreu ferimentos nas pernas, foi medicado e liberado para prestar depoimento. Já a passageira Luziane Cristina Filger, que se locomove com auxílio de muletas, ficou ferida em um dos braços, nas pernas e em parte do tronco.

 

Policiais militares chegaram rapidamente ao local do atentado, mas não conseguiram prender nenhum suspeito. Josué afirmou também que esse é o oitavo coletivo da empresa incendiado na mesma região e que ouviu das pessoas que moram na região que o atentado desta segunda-feira pode ser uma represália à ação da PM contra bandidos locais. A ocorrência foi registrada no plantão do 50º Distrito Policial, do Itaim Paulista, onde será investigada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.