Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Incêndio atinge galpões de escolas de sambas na zona norte da capital paulista

Ao menos três pessoas tiveram de receber atendimento médico após inalar fumaça

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2019 | 18h50
Atualizado 15 de outubro de 2019 | 11h51

SÃO PAULO - Um incêndio de grandes proporções atingiu barracões de escolas de samba na Avenida Otto Baumgart, na zona norte de São Paulo, no início da noite desta segunda-feira, 14. Não houve vítimas graves, mas ao menos três pessoas tiveram de receber atendimento após inalar fumaça.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo começou por volta das 18 horas e destruiu o barracão da Independente Tricolor. Vizinho, o galpão da Leandro de Itaquera também foi atingido, com menor gravidade.

"A gente teve um galpão destruído. Parte da estrutura, principalmente as vigas que sustentam a cobertura, também foi destruída", disse o tenente Anderson Luiz Silva, dos Bombeiros, sobre o barracão da Independente. "Tudo que tinha dentro foi queimado, (ficou) inutilizável."

Já o galpão da Leandro de Itaquera, embora tenho sido atingido pela chama e pelo calor, "não teve abalo de estrutura" e "nem quantidade significativa de objetos destruídos", segundo Silva. As áreas foram isoladas e vão passar por análise da Defesa Civil.

Uma mulher de 20 anos, que não quis se identificar, estava em um galpão vizinho e afirma que o incêndio  começou de repente. "A gente viu a fumaça e saiu todo mundo correndo para tentar apagar o fogo", diz. "Todo mundo se juntou. Não é porque não é minha escola que eu não iria ajudar."

Dezesseis viaturas e cerca de 40 bombeiros trabalharam por mais de uma hora para controlar as chamas. O incêndio teria começado em uma unidade no centro do espaço. "Nosso trabalho foi controlar para que o fogo não se espalhasse para os outros galpões", afirma Silva. Segundo o bombeiro, no local havia carros alegóricos, ferramentas e materias como tinta, solventes e botijões de gás.

Causas

As causas do incêndio serão investigadas. O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de SP, Paulo Sérgio Ferreira, diz não saber a origem do incêndio. "A gente chegou e estava aquela labareda de fogo. Estamos acompanhando o trabalho dos Bombeiros", diz.

Segundo afirma, o espaço pertence à Prefeitura mas está concedido para a Liga. A estrutura é formada por 20 galpões destinados a escolas de samba dos grupos de acesso 1 e 2.

Ferreira diz que o local é alvo de furtos constantes. "Tem hidrante, tem tudo nos barracões", afirma. "Só alguns reparos que estavam sendo feitos, como a reposição de bicos de mangueira que são furtados."

Ainda de acordo com presidente da Liga, o incêndio não deve prejudicar os desfiles de 2020. "A gente vai dar todo suporte para as escolas, mas podem ter certeza de que o Carnaval vai ser gigante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.