Incêndio atinge ambulatório do Hospital das Clínicas

Treze pacientes, sendo três que estavam em cirurgia, tiveram de ser transferidos daquela área para outro setor do próprio complexo, mas ninguém ficou ferido nem intoxicado

Ricardo Valota, do estadao.com.br,

24 de dezembro de 2007 | 23h46

Um curto-circuito em instalações elétricas no subsolo do prédio do ambulatório teria sido a causa de um grande susto que tomou conta de funcionários e pacientes, por volta das 22h desta segunda-feira, do complexo hospitalar do Hospital das Clínicas (HC), na região centro-oeste da capital paulista. Um total de 32 equipes dos Bombeiros foi acionada para o HC, pois o fogo, segundo o tenente Vitor Cavalcanti, atingiu um local de difícil acesso, onde há um depósito de materiais diversos. O que mais impressionou foi a quantidade de fumaça gerada pelo incêndio. A fumaça chegou a atingir o 9º andar do Instituto Central, ao lado do ambulatório, onde ficam as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) cirúrgica e pós-cirúrgica. Treze pacientes, sendo três que estavam em cirurgia, tiveram de ser transferidos daquela área para outro setor do próprio complexo, mas ninguém ficou ferido nem intoxicado. Duas horas depois a situação já havia sido totalmente controlada pelos bombeiros, que ajudaram no esvaziamento do prédio do ambulatório. Por volta da 0h30 desta terça-feira, o governador José Serra esteve no local e disse que nada de grave ocorreu. Ao ser indagado sobre o fato da portas de emergência do prédio estarem trancadas no momento do incêndio, o governador não quis responder e passou a pergunta ao comandante dos bombeiros que estava presente. Segundo o coronel Manuel Antonio da Silva Araújo, as portas não estavam trancadas. A perícia foi acionada para o Hospital a fim de analisar as verdadeiras causas do incêndio.

Tudo o que sabemos sobre:
Incêndio, Hospital das Clínicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.