Inca não indica que homens façam exame sem sintoma

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) não recomenda o rastreamento populacional para detectar o câncer de próstata. Em 2008, o instituto publicou uma nota técnica desaconselhando que os homens sem sintomas se submetessem aos exames de toque retal e PSA, sob a justificativa de que não havia evidências científicas de que o rastreamento reduziria a mortalidade.

Fernanda Bassette, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2013 | 02h01

Dias depois, o diretor-geral Luiz Antônio Santini voltou atrás e disse que a nota havia sido mal interpretada. Ontem, no entanto, o epidemiologista Arn Migowski, da Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede do Inca, manteve a posição da nota técnica de 2008 e afirmou que os homens assintomáticos não têm motivos para fazer os exames, pois há "possíveis riscos e danos". "Estudos internacionais demonstram que pode haver um número alto de falsos positivo, de resultados que não se confirmam. Fora os riscos do tratamento, que incluem disfunção erétil e incontinência", diz.

O câncer de próstata é o segundo mais comum em homens. O Inca estima 60.180 novos casos só em 2013. Em 2011, 13.129 homens morreram da doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.