Improviso em edifício novo pode pôr toda a estrutura em risco

Sem vigas, construções dependem de paredes de sustentação; intervenções devem ser notificadas à construtora

O Estado de S.Paulo

29 Julho 2012 | 03h02

Em prédios novos, as reformas são ainda mais complicadas do que em edifícios antigos. Nas novas técnicas de construção, há paredes estruturais - que fazem às vezes das antigas vigas. Não podem ser retiradas.

"Nenhuma reforma em prédio novo pode acontecer sem que a construtora do empreendimento seja consultada", diz Attilio Bracco, um dos sócios da Bracco Construtora, especializada em prédios residenciais de luxo.

"Os apartamentos de alto padrão são automatizados. Se alguém recortar uma parede, pode danificar, por exemplo, a central de aspiração, ou mesmo o sistema elétrico, que fica solto", completa. Nas construções antigas, os fios passavam dentro de conduítes.

Todo apartamento novo tem um manual do proprietário, que contém plantas muito básicas. Elas dão uma noção de onde passam os principais canos e onde ficam os pontos de luz e de televisão. "É uma informação muito básica. Em caso de reforma, o proprietário vai precisar de informações mais detalhadas, que ficam arquivadas na construtora", diz Bracco.

Síndico de um prédio na Vila Nova Conceição, na zona sul, Nelson Boni vem tentando conscientizar os moradores sobre a importância de contratar mão de obra qualificada.

"Existe uma cultura de chamar o pedreiro que fez a reforma da casa da amiga ou de um parente. Não pode ser assim", ressalta o síndico. "Teve um morador que chamou um eletricista para fazer um reparo. Quando me dei conta, ele havia danificado o quadro de luz de todo o andar."

Nem sempre os condôminos respeitam as leis do prédio. E isso muitas vezes causa prejuízo para os vizinhos. Como só há um apartamento por andar no edifício, algumas unidades derrubaram a parede que dá para o hall do elevador. "Isso é proibido, mas foi feito sem a aprovação do síndico da época", explica Boni. "Outro dia estourou o cano de uma dessas unidades e a água escorreu para dentro do elevador. Isso não aconteceria se não tivessem colocado abaixo a parede do hall."

Gás na sala. Mudar a tubulação do sistema de gás encanado é outra modificação interna proibida, mas que acontece. "Teve um apartamento que resolveu desviar o gás da cozinha para a sala, com o objetivo de alimentar uma lareira", conta Roberto Piernikarz, proprietário da BBZ, que administra prédios de luxo. "Quando descobrimos, o proprietário se comprometeu a modificar a obra. Foi uma reforma que não foi comunicada, que descobrimos por acaso. Mas imagine o perigo."

Encanamento. Mudar o caminho por onde passa água também não é aconselhável. "Fomos chamados para colocar gesso no teto de um apartamento. Quando o funcionário deu um tiro com a pistola para fixar a placa, começou a escorrer água", conta o engenheiro Júlio Cesar de Oliveira, dono da Handy Man Condomínios, empresa que oferece mão de obra para reforma. "Fomos ao apartamento de cima e, depois de conversar com a proprietária, descobrimos que ela havia mudado o encanamento. Debaixo do piso da sala, ela embutiu um cano para levar água para um outro banheiro." / V.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.