Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Império encerra desfile do Grupo Especial

A Império de Casa Verde, última escola do Grupo Especial de São Paulo a desfilar hoje no sambódromo do Anhembi, conta a história da cerveja. Segundo o vice-presidente da escola, Júnior Marques, não é a primeira que a agremiação fecha o carnaval paulistano. “Já é a quinta vez que a gente encerra a festa”.

Renata Pedini e Daiene Cardoso, Agência Estado

06 Março 2011 | 08h30

O principal destaque da escola é a rainha da bateria, Gracyanne Barbosa, mulher do cantor Belo. A modelo está na avenida com uma fantasia banhada a ouro. Embora faça uma preparação especial para o carnaval, ela admitiu que gosta de cerveja. “De vez em quando eu tomo uma cervejinha”, confessou Gracyanne. O cantor Belo foi convidado para participar do desfile, mas não compareceu na avenida porque tinha um show na Bahia. “Belo está vendo pela televisão e pediu para que eu mandasse um beijinho”, conta a rainha da bateria.

A Império de Casa Verde celebra o samba com uma paixão nacional. Além disso, comemora os 20 anos do sambódromo do Anhembi com uma homenagem à sua madrinha e uma das campeãs do carnaval paulistano em 1991, a Camisa Verde e Branco, cujo enredo na ocasião tratou do mesmo tema. O enredo da Império é “Samba, Sabor, Cerveja. Admirada há milênios, a mais nova sensação nacional”.

Segundo o carnavalesco Marco Aurélio Ruffin, a escola vai conta a história da bebida, a partir da produção e consumo no Egito antigo. A agremiação apresenta também a chegada da bebida ao Brasil, desde Maurício de Nassau, holandês que “trouxe a planta e utensílios, além da forma de fazer cerveja para montar no Recife a primeira fábrica”. A Schincariol é patrocinadora oficial da escola. A Império de Casa Verde entra no Anhembi com 3.800 componentes, em 5 carros e 38 alas.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.