Imperador do Ipiranga faz desfile correto no Anhembi

Sem incidentes, escola apostou em grandes alegorias para contar história da medicina através dos tempos

Gabriel Pinheiro, estadao.com.br

13 de fevereiro de 2010 | 00h47

 

SÃO PAULO - A história da medicina através dos tempos inspirou o desfile da Imperador do Ipiranga, primeira escola a desfilar no carnaval de São Paulo, às 23h24 desta sexta-feira, 12. A agremiação fez um desfile luxuoso - o carro abre-alas, por exemplo, media 96 metros de comprimento, representando as primeiras civilizações da antiguidade que começaram a desenvolver a ciência. Cerca de 3 mil componentes fizeram a folia da escola, que não teve incidentes e terminou dentro do prazo de 65 minutos.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos do desfile da Imperador

blog Acompanhe o carnaval pelo País no blog

especialCobertura completa da folia na página especial

 

Vice-campeã do Grupo de Acesso em 2009, a Imperador veio para o sambódromo com o principal objetivo de se manter no grupo especial do carnaval paulistano. O carnavalesco Anselmo Brito apostou em grandes alegorias, como pode ser visto no quinto e último carro alegórico, cujo tema era a medicina de mãos dadas com a tecnologia. A alegoria trouxe uma réplica de um helicóptero que, movido em compasso com a respiração dos bonecos, subiu cerca de quatro metros e levava as passistas para a avenida.

 

 

Única representante da zona sul de São Paulo no sambódromo, a escola teve como destaques as atrizes Adriana Lessa e Núbia Oliver, a ex-BBB Joseane Oliveira e Ângela Bismarchi. Patrícia Cruz desfilou como rainha da bateria.

 

Para puxar o samba o enredo "Da antiguidade à tecnologia: medicina, a nobre arte de salvar vidas", a agremiação trouxe o rapper Rappin Hood. "É bom fazer algo pela minha comunidade. É o segundo carnaval que usamos essa pegada rap e queremos continuar", disse.

 

O presidente da escola, Jamil Jorge, também emocionado, aparentava mais seriedade do que outros integrantes da agremiação. Segundo ele, a Imperador do Ipiranga teve de superar vários problemas por conta da chuvas em São Paulo em janeiro, e parte considerável das fantasias e alegorias teve de ser refeita. "Nossa esperança é de que os jurados tenham sentido nossa garra e feito uma boa avaliação", disse. Na avaliação de Jorge, o desempenho da escola agradou ao público.

 

A agremiação levou um susto no fim da noite do dia 21, quando uma forte chuva atingiu São Paulo e as águas acabaram invadindo a sede da Imperador. No entanto, segundo Jamil, foi dobrada a força de trabalho no barracão e o material perdido foi substituído.

 

(Com Paula Puliti e Renan Carreira, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.