Impasse jurídico trava projetos

O terreno de 30 mil m² onde fica a Favela do Moinho, perto dos trilhos da CPTM, foi adquirido por duas empresas particulares durante um leilão da antiga Fepasa, em 1999. Sem destinação, o terreno, em área prevista para ser adensada por meio de operação urbana, começou a ser invadido em 2002. Após o incêndio de 22 de dezembro, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) disse que todos os moradores seriam removidos de lá imediatamente, para uma Cohab com dez prédios na Vila Leopoldina, ao lado da Ponte dos Remédios - incluídos os que não foram prejudicados pelas chamas.

O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2012 | 03h03

No entanto, como o terreno é particular, e estudantes da PUC-SP movem processo para destinar a propriedade aos invasores por usucapião, a Prefeitura descobriu que não pode desapropriar a área.

Até 2015, a CPTM planeja inaugurar no local a Estação Bom Retiro, que atenderia as Linhas 7,8 e 11. Como resultado, a Estação Júlio Prestes seria desativada e se tornaria apenas um centro cultural.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.