Impacto político deve aparecer em ano eleitoral

Bastidores: D.Z. e R.B.

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2011 | 03h04

No fim do ano que vem, a imagem do prefeito Gilberto Kassab (PSD) que vai ficar para os paulistanos, após sete anos de governo, dependerá do sucesso dos novos contratos da varrição. A aposta dentro do governo é que, em seis meses, calçadas e ruas estarão bem mais limpas. E com isso até petistas concordavam ontem. "Essa nova varrição vai ter um impacto visual positivo sem precedentes na cidade", comentou um adversário do prefeito.

A decisão de mudar o sistema de varrição foi do próprio Kassab. Os atuais contratos, licitados em 2006, foram cotados por valores muito baixos, o que permitiu a participação vitoriosa de empresas com experiência apenas em cidades do interior.

Agora, com um valor de R$ 2,1 bilhão por três anos, só as gigantes do mercado entraram na licitação, considerada a maior concorrência em andamento no País na área de limpeza pública. Queiroz Galvão, Delta, Cavo e Vega estão nos consórcios que disputam os dois lotes do serviço. São empreiteiras que já realizam a varrição das principais capitais e sabem da importância de realizar um bom serviço em ano eleitoral, quando Kassab tentará de todas as formas eleger seu sucessor e manter o PSD no comando da maior cidade do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.