Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Imóveis e ruas viram estúdio ao ar livre na Vila Maria Zélia

Vila operária da zona leste de São Paulo é referência para a produção de filmes, videoclipes, comerciais de televisão e até peças de teatro

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2017 | 04h00

SÃO PAULO - Encontrar câmeras na porta de casa é corriqueiro para moradores da Vila Maria Zélia, vila operária da zona leste de São Paulo e que completa 100 anos no dia 20 de maio. Ao menos desde 1967, com o longa-metragem O Corintiano, protagonizado por Amácio Mazzaropi, o local é referência para a produção de filmes, videoclipes, comerciais, ensaios de moda e excursões fotográficas. Os cenários mais visados são as escolas, onde foram gravados, por exemplo, o clipe Manimal, de Junior Lima, e a novela Cúmplices de um Resgate, do SBT.

O coordenador de produção da Conspiração Filmes, Pablo Alvez, relata ter logo pensado na vila quando recebeu a proposta de procurar uma locação para o clipe Cobertor, de Anitta e Projota, hoje com 100 milhões de visualizações no YouTube. “O Fred (Ouro Preto, diretor) queria um local isolado para mostrar um casal discutindo a relação. E a vila proporcionava isso, tinha grafismos, vegetação e ainda uma bela incidência de luz”, relembra. Segundo ele, a Maria Zélia é um coringa para quem trabalha na área.

A principal referência artística da vila é, contudo, o Grupo XIX, de teatro, que faz residência no local desde 2004, mantendo-se com fomento da Prefeitura. Segundo o ator Rodolfo Amorim, a companhia se interessou em montar Hygiene em uma vila operária, mas encontrou a Maria Zélia por acaso, ao se perder no trajeto para outra. Durante a preparação da peça, eles se aproximaram da população e, depois, decidiram por lá se fixar. “Os moradores chegavam, corrigiam nosso sotaque, davam relatos sobre experiência de trabalho infantil na fábrica, que era um dos temas da peça”, lembra. “Não era o nosso plano ficar, mas, hoje, a vila é o nosso principal palco. Nos preocupamos em trazer novas pessoas e revelar a vila para a cidade.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.