Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

IML exuma corpos entregues errados

Vendedor foi enterrado no lugar de homem 20 anos mais velho; instituto abriu investigação e afastou servidor envolvido na confusão

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

03 Junho 2015 | 12h44

SÃO PAULO - Foi feita na manhã desta quarta-feira, 3, a exumação do corpo que seria do vendedor Valdenilson de Barros, de 55 anos, enterrado como sendo o aposentado Antônio Iak, de 73, após uma troca de corpos ocorrida dentro do Instituto Médico-Legal central de São Paulo. As famílias devem fazer novo reconhecimento dos corpos ainda nesta tarde para, enfim, desfazer a confusão, ocorrida na semana passada, que trouxe apreensão para ambas as famílias.

A troca dos corpos é investigada pelo IML, que já afastou um servidor. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, os corpos estavam identificados corretamente nas planilhas do instituto. 

Ambos os homens morreram no dia 28. Iak foi atropelado na região central da cidadade. Barros teve uma parada cardíaca fatal na rua, na zona norte, quando procurava um hospital justamente para tratar da dor que sentia no peito.Ambos os corpos foram levados para o IML central na noite do mesmo dia.

Nas primeiras horas do dia 29, o irmão de Iak, José Ale Iak, assinou documento que reconhecia o corpo de barros como se fosse do seu parente. O criminalista Ademar Gomes, advogado que defende as famílias, afirma que o funcionário que acompanhou a identificação teve má-fe, induzindo o irmão ao erro: eles têm quase 20 anos de diferença e tipos físicos diferentes, mas o funcionário teria dito que era comum os corpos mudarem após a morte e que funcionários haviam barbeado e cortado o cabelo de Iak. 

O corpo errado foi velado e interrado no Cemitério Gethsemani, no Morumbi, zona sul, no dia 30. A confusão foi descoberta quando o filho de Barros foi fazer o reconhecimento, e não acreditou que o corpo que o apresentaram era de seu pai.

A exumação foi autorizada pelo juiz Antonio Maria Patiño Zorz, coordenador do Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária (Dipo), do Tribunal de Justiça. O enterro correto dos corpos deve ocorrer durante o feriado de Corpos Christi.

Mais conteúdo sobre:
iml Bruno Ribeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.