Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Imigrantes poderá ser fechada sob névoa densa

Hipótese admitida por diretor da Ecovias ocorreria nos casos de perda de visibilidade

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2011 | 03h03

Pela primeira vez em 13 anos de concessão, a Ecovias admitiu fechar a Rodovia dos Imigrantes em caso de neblina forte que leve à perda de visibilidade e ao risco de acidentes. A medida, já acertada com a Polícia Rodoviária, foi anunciada pelo diretor-superintendente da concessionária, José Carlos Cassaniga. A Ecovias nunca interditou a principal ligação entre a capital e o litoral.

O bloqueio total da Imigrantes, com desvio do trânsito para a Via Anchieta, é uma das alternativas consideradas agora pela Ecovias para evitar novos engavetamentos de veículos como o de quinta-feira. O acidente fechou a via para resgate e limpeza por quase 24 horas. Nas contas da concessionária, o acidente deixou um caminhoneiro morto e 46 vítimas feridas, além de 104 veículos danificados.

A Imigrantes poderá ter também mais painéis eletrônicos que recebem informações de estações meteorológicas para orientar motoristas sobre condições de tráfego e clima. A via tem 36 hoje, três deles próximos do local do acidente.

"De imediato, o que pretendemos fazer é ter mais viaturas da Ecovias e da Polícia Rodoviária na coordenação da condição de pista. E vamos ampliar, colocar informações sobre trafegabilidade, segurança e comportamento do usuário por mais tempo", disse Cassaniga. "Mas direção adequada, velocidade reduzida, farol baixo ligado e uma distância de segurança entre os veículos são fundamentais. Nada substitui isso", ressaltou.

A Ecovias também estuda com a Polícia Rodoviária como instalar uma Operação Comboio na subida para São Paulo. Falta, porém, achar um ponto de retenção e agrupamento dos veículos. Atualmente, a Comboio existe somente na descida para o litoral. Os carros são parados no pedágio da Imigrantes (km 32) e seguem, a cada meia hora em média, em um pelotão conduzido por duas ou quatro viaturas.

Falso comboio. Desde o acidente, o comandante de policiamento rodoviário, coronel Jean Charles, recomendou o uso do chamado "falso comboio" na subida para São Paulo. Carros da polícia e da Ecovias ultrapassam os veículos em movimento e se posicionam à frente deles para controlar a velocidade de tráfego quando há pouca visibilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.