Jonne Roriz/Estadão
Jonne Roriz/Estadão

Imagem de Aparecida vira patrimônio de SP

Além da santa que fica protegida por vidro no Santuário, o Condephaat também tombou o Seminário Missionário Bom Jesus

Juliana Deodoro - O Estado de S. Paulo,

29 Novembro 2012 | 02h05

Duzentos e noventa e cinco anos após ser encontrada no Rio Paraíba por três pescadores, a imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, foi finalmente tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat).

A santa de 39 centímetros, de estilo barroco, feita de barro cozido e com uma coroa presenteada pela Princesa Isabel, é agora um bem cultural do Estado de São Paulo. O Seminário Missionário Bom Jesus, que fica em Aparecida, também foi tombado pelo Condephaat.

De acordo com o historiador e especialista em arte sacra Percival Tirapeli, a imagem deveria ter sido tombada na década de 1980, quando a Basílica Antiga se tornou monumento de interesse histórico, religioso e arquitetônico, mas, como ela estava no Santuário nessa época, foi "esquecida". "É comprovadamente uma escultura do Frei Agostinho de Jesus. O Condephaat não está tombando apenas uma escultura do mais antigo escultor brasileiro, mas também a parte imaterial que é a devoção que o povo brasileiro tem por ela, o que não tem preço", diz.

Atualmente, a imagem fica guardada em Aparecida, protegida por um vidro de 6 centímetros de espessura e acondicionada na umidade e na temperatura corretas. Uma vez por ano, a restauradora Maria Helena Chartuni, responsável por colar a imagem depois que ela foi completamente destruída em 1978, faz uma vistoria para ver se ela está sendo bem preservada. Maria Helena, que já foi restauradora do Masp, comemora o tombamento. "Nada mais justo. Como ela é uma imagem de culto e veneração, o pessoal da área nunca deu importância ao lado estético, mas é uma imagem barroca e muito bonita."

Seminário. De estilo renascentista e conhecido como "o Versalhes do Vale", o Seminário Missionário Bom Jesus também foi incorporado ao patrimônio histórico do Estado. O prédio, erguido em 1895, foi o local onde os papas João Paulo II e Bento XVI se hospedaram quando estiveram em Aparecida. Construído como local de formação para novos religiosos, hoje o seminário é a sede da Cúria Metropolitana da Arquidiocese de Aparecida e funciona também como pousada. O prédio passou recentemente por reformas, mas agora, com o tombamento, qualquer intervenção no edifício e em seu entorno deve ser aprovada previamente pelo Condephaat.

Procurados, a Arquidiocese de Aparecida e o Santuário Nacional de Aparecida afirmaram por meio de suas assessorias que não se pronunciariam sobre o tombamento. Segundo a assessoria da arquidiocese, o arcebispo dom Raymundo Damasceno ficou sabendo do processo ontem e ainda vai se inteirar sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.