Tiago Queiroz
Tiago Queiroz

Igreja do Paiçandu precisa de R$ 180 mil

Até arvore cresce no meio do templo, em péssimo estado de conservação

JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2013 | 02h03

Em péssimo estado de conservação, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paiçandu, região central de São Paulo, precisa de pelo menos R$180 mil para ser reformada. A quantia, informada pelo interventor Manoel Antônio de Lima Júnior, terá de ser arrecadada com instituições parceiras. "Esse valor é inviável para a administração, uma vez que a igreja não tem nenhuma ajuda externa", afirma Júnior.

As condições estruturais da igreja são alvo de preocupação para frequentadores e moradores da região. Uma árvore cresce na torre principal da paróquia, que tem problemas de infiltrações visíveis em suas paredes. As pinturas interna e externa estão danificadas e também há rachaduras. A escada que leva ao coro, de madeira, foi interditada, após ser atingida por cupins, e oferece risco a quem se atrever a usá-la. Funcionários dizem que não podem retirar a árvore sem a autorização dos bombeiros, o que agrava a situação.

"Daqui a pouco essa igreja vai cair e ninguém vai fazer nada", diz o presidente do Conselho de Segurança Comunitária (Conseg) do Centro, Antonio Souza Neto. Segundo ele, problemas administrativos levaram a igreja e a própria comunidade a abandonarem atividades e festejos tradicionais que faziam parte da rotina da vizinhança. "Essa igreja sempre teve um link com a sociedade paulistana, foi importantíssima para a história da cidade, mas está completamente nula, por causa da inoperância da administração e dos próprios frequentadores", afirma.

Reforma. De acordo com o interventor Manoel Antônio de Lima Júnior, que assumiu o cargo em dezembro, o orçamento feito para a reforma só foi concluído há pouco tempo. "O valor não é tão absurdo, dadas as condições da própria igreja", diz. "Além disso, ela é importante no contexto histórico, é uma igreja centenária."

O prédio está em estudo de tombamento pelo Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). A decisão de abertura de uma avaliação técnica ocorreu em setembro de 2012 e, depois de concluída, será submetida à deliberação do Conselho, que decidirá pelo tombamento ou não da igreja.

De qualquer maneira, a abertura do processo já protege o prédio e qualquer intervenção ou reforma tem de ser aprovada com antecedência.

Imbróglio. Um dos motivos que o presidente do Conseg atribui para a má conservação são os problemas administrativos. Há dez anos, o Ministério Público Estadual (MPE) ajuizou uma ação civil pública por causa das irregularidades na eleição da diretoria da Irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Um interventor foi nomeado e os integrantes da diretoria, afastados. De acordo com o advogado Antonio Francisco Filho, que representa alguns irmãos, toda e qualquer decisão está sob a responsabilidade do Ministério Público.

A irmandade propôs um acordo em que propunha a eleição de nova diretoria, nomeação de conselho fiscal e elaboração de novo estatuto. Segundo Filho, o MPE impôs outras regras e não deu o aval para a igreja seja repassada novamente para os irmãos.

Mais conteúdo sobre:
IgrejaPaiçandu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.