Idosos muito mal atendidos

BILHETE ÚNICO NO POSTO DA SPTRANS

O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2013 | 02h01

Em 28/1 fui ao posto da Rua Boa Vista da SPTrans solicitar o Bilhete Único Idoso, mas tive um atendimento vergonhoso. No local havia dezenas de pessoas na fila, com senhas, que eram chamadas pelos atendentes aos gritos. Os funcionários agiam com displicência e mais conversavam e davam risada do que trabalhavam. Pareciam estar fazendo um favor a todos nós (idosos e deficientes), como se não fôssemos cidadãos merecedores de respeito. Após esperar quase uma hora, fui chamado para preencher o cadastro. Já cansado de esperar pela foto, fui novamente chamado, mas, pasmem, o atendente tinha preenchido o meu cadastro errado e teria de refazê-lo! Finalmente me chamaram para a foto e, ao perguntar pelo cartão, surpresa!, disseram que leva 20 dias para ficar pronto. Que lástima!

SERGIO HENRIQUE BORGES FREIRE / SÃO PAULO

A SPTrans informa que a demora no atendimento ocorreu por causa de um erro no cadastro do leitor, visto que o sistema ficou inoperante por alguns minutos por falha na comunicação com a rede. Esclarece que, embora não tenha identificado registro de reclamação do leitor com os encarregados do posto, pede desculpas e informa que os atendentes são treinados para prestar um atendimento de qualidade.

O leitor comenta: Nada me foi dito sobre sistema "inoperante". Pura burocracia! Na ocasião, perguntei quem era o supervisor do posto e fiz uma reclamação verbal. Aliás, houve diversas reclamações verbais, de outros usuários. Ratifico: os atendentes são despreparados, agindo com desdém e desrespeito. A SPTrans, neste aspecto, tem muito a melhorar.

VILA MADALENA

Bloco de carnaval e barulho

Na Rua Natingui, n.º 172, um imóvel residencial virou sede de ensaio do bloco de carnaval Pimentas do Reino. Semanalmente, dezenas de pessoas se reúnem na casa para ensaiar. O "puxador" pede doações e camisetas do bloco são vendidas no local. A casa não tem proteção acústica e, por estar em zona residencial, não poderia sediar esse tipo de atividade - o som é altíssimo!

CRISTIANE CORREA / SÃO PAULO

O Psiu esteve no local em 21/1, mas o imóvel estava fechado; nova vistoria será feita. Sobre o uso do local, a Subprefeitura Pinheiros diz que há consentimento do morador e que a venda de camisetas não configura, neste caso, atividade comercial passível de fiscalização.

A leitora comenta: Lamentável. Primeiro, porque locais que recebem aglomerações devem estar preparados em termos de segurança e proteção acústica. Segundo, porque a área é residencial. E fazer a vistoria quando não há evento parece piada.

CORREIOS E EFICIÊNCIA - 1

Livros sumiram

Em 19/10 postei na França três livros para o Brasil. Ao rastrear a remessa, vi que chegou ao Brasil em 28/11. Mas, em 11/12, ao chegar ao Centro de Tratamento de Correspondências Internacionais, ela sumiu! Após preencher formulários e reclamar várias vezes, recebi e-mail dos Correios dizendo que o objeto "não se encontra no fluxo postal" e que posso pedir indenização!

CLAUDIA MINERBO / SÃO PAULO

Os Correios informam que o objeto não foi localizado no fluxo postal, sendo considerado extraviado. Nesse caso, a encomenda pertence ao remetente. Para isso, o remetente deve formalizar a reclamação no país de origem para dar início ao processo de indenização.

A leitora reclama: Se a remessa é do remetente, tenho de acionar meu amigo que mora na França (eu usei o endereço dele para postar os livros). O problema é que ele teria de ir a uma agência e pedir uma autorização para eu, então, solicitar o pedido de indenização. Olha a dor de cabeça! Estou desolada!

CORREIOS - 2

Encomenda não chegou

É incrível como os Correios podem responder simplesmente que não sabem onde se encontra uma remessa recebida por eles em novembro. Conforme protocolo no site do remetente, o produto foi entregue normalmente. Diante da reclamação, o site, americano, informou que têm sido comuns problemas no correio brasileiro, tanto que incluiu tal alerta no site. Bonito para o Brasil, não?

RAIMUNDA RIMKUS / SÃO PAULO

Os Correios informam que o objeto não deu entrada no Brasil. A ECT orienta a leitora a entrar em contato com o site para comunicar o fato e verificar se não houve erro no código de rastreamento.

A leitora diz: A Ouvidoria dos Correios pediu alguns dados, mas não tive mais informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.