Hélio Torch/Futura Press
Hélio Torch/Futura Press

Idosa põe na cadeia golpistas de telefone

Após ser enganada por três vezes e dar aos bandidos R$ 13 mil, dona de casa de 84 anos vai à polícia e dois acusados acabam presos

Plínio Delphino, O Estado de S.Paulo

23 Março 2011 | 00h00

O "telemarketing do crime" - golpe praticado por telefone de dentro de cadeias - tem focado principalmente os idosos. Mas, na tarde de anteontem, a vítima, uma dona de casa de 84 anos, partiu para a revanche. Resultado: a polícia conseguiu prender os dois homens acusados de participar da extorsão.

Já era a quarta tentativa de achaque contra a idosa. Nas três primeiras investidas, os dois bandidos conseguiram tirar dela R$ 13 mil. O drama começou na quarta-feira da semana passada, quando Lourdes Martins da Nóbrega atendeu o telefone e um homem disse que sua sobrinha havia sofrido um acidente. Ao lado dele, uma mulher se fazia passar pela jovem. "Sua sobrinha sofreu um acidente de carro. Já consertei o outro veículo, que ela danificou. Agora quero receber o que é meu, ou então ela vai ficar em maus lençóis", dizia.

O suposto mecânico exigiu R$ 3 mil no ato, para ser entregue a um motoboy. Lourdes correu até o banco e fez o saque. Em seguida, apareceu em sua casa um motoboy de 1,90m, com capacete cor-de-rosa. "É para mim que o dinheiro deve ser entregue", dizia. "Não fiquei com medo. Pensei que estava ajudando minha sobrinha a resolver um problema sério", disse Lourdes.

Na quinta-feira, o bando voltou a telefonar. Pediu R$ 5 mil para despesas médicas. "Dessa vez foi a mulher, passando-se por Carla, a sobrinha", afirmou o delegado Genésio Leo Júnior, titular do 35.º Distrito Policial, no Jabaquara, zona sul. Novamente a dona de casa entregou dinheiro ao grupo. Na sexta-feira, nova investida da quadrilha: pedido de mais R$ 5 mil para custear a internação no hospital.

A idosa fez três pagamentos para os golpistas, no total de R$ 13 mil. O dinheiro era sempre entregue dentro de envelopes para o motoboy, que ia até sua residência na Vila Mascote, zona sul. Depois de relatar os pagamentos a parentes, Lourdes foi convencida de que havia caído em um golpe. Ela foi levada ao 35.º DP para registrar boletim de ocorrência. Enquanto estava na delegacia, recebeu nova ligação e foi orientada rapidamente pelos policiais a dizer que daria mais um envelope com dinheiro aos criminosos.

Na quarta vez em que foi até a casa, o motoboy foi preso em flagrante. Ele negou envolvimento no golpe e disse que os envelopes eram entregues a um mecânico, que também acabou detido. Marcelo Rocha Moreira, de 28 anos, e Everson Carmo da Cruz, de 26, foram autuados em flagrante pelo delegado Genésio Leo Júnior. Ele espera agora chegar aos comparsas, responsáveis pelos telefonemas. E à mulher que se passou pela sobrinha.

Alvos. Após a divulgação da prisão dos bandidos, o 35.º Distrito Policial recebeu pelo menos dez telefonemas de vítimas do mesmo golpe, 90% idosos.

PRESTE ATENÇÃO...

1.Não divulgue dados. Oriente familiares e empregados a nunca dar informações ou números de telefone a desconhecidos. É a forma de os bandidos conseguirem dados sobre as futuras vítimas do golpe.

2. Confirme. Ao receber uma ligação de um suposto sequestrador, desligue o telefone e procure o parente que estaria em poder dos bandidos.

3. Denuncie. Procure a Polícia Militar, principalmente se não conseguir falar com a pessoa que supostamente está sequestrada.

4. Pense duas vezes. Não aceite ligações a cobrar e duvide do choro das supostas vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.