Idosa cadeirante é baleada em assalto na zona norte de SP

Mulher de 82 anos foi jogada no chão e teve documentos e a bolsa roubados; ela permanecia estável na tarde desta segunda-feira

Luiz Fernando Toledo e Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

22 Fevereiro 2016 | 15h10

SÃO PAULO - Uma aposentada cadeirante de 82 anos foi baleada no peito em um assalto às 20h40 deste domingo, 21, no Jaçanã, zona norte da capital. Yolanda Ferreira Guarda foi encaminhada ao Hospital Municipal Vereador José Storoponi, na Vila Maria, e nesta segunda-feira, 22, transferida ao Hospital particular 9 de Julho. Até o fim da tarde, o estado de saúde dela era estável.

A aposentada e o filho, um comerciante de 59 anos, foram abordados por quatro jovens que aparentavam ter menos de 18 anos, segundo as vítimas, e exigiram o carro e dinheiro.  De acordo com o boletim de ocorrência, um dos criminosos retirou a cadeirante "violentamente" de dentro do veículo e a jogou no chão. O filho relatou à polícia ter ouvido dois disparos e, quando foi socorrer a mãe, notou que ela estava sangrando. A idosa deve ser ouvida assim que for liberada do hospital.

Os bandidos entraram no Nissan Sentra e fugiram levando documentos e objetos pessoais, como a bolsa da idosa, carteira e celulares, que estavam no carro. Eles foram escoltados por outro grupo de ladrões que "acompanhava" toda a ação de perto. Ninguém havia sido detido até o fim da tarde desta segunda-feira. O carro usado pelos comparsas foi achado abandonado à noite. O caso é investigado pelo 73º DP (Jaçanã).

Socorro. Familiares de Yolanda relataram que ela teve de esperar mais de uma hora por atendimento no Hospital Municipal por falta de médico e denunciaram que não havia equipamento para exame de tomografia. A Secretaria municipal de Saúde informou em nota que Yolanda "deu entrada no hospital diretamente para a sala de emergência, onde permaneceu sob os cuidados das equipes médica e de enfermagem que a mantiveram estável até a transferência para um hospital particular de convênio, o que ocorreu às 7h20 de hoje (segunda-feira)."

De acordo com a secretaria, o tomógrafo entrou em manutenção na manhã desta segunda-feira "com previsão de funcionamento para o início da noite" e que "tal fato não teve relação nenhuma com a condução clínica". Quando há necessidade de fazer algum exame, ainda segundo a pasta, a solicitação é feita para a Central de Regulação de Urgência e Emergência, que encaminha para hospital de referência da região.

O Hospital 9 de Julho informou em boletim divulgado às 17 horas que a paciente permanecia "estável, consciente e respirando espontaneamente". A bala atingiu a escápula (osso na parte superior do tórax) do lado esquerdo, onde ficou alojada. Não havia, até esse horário, indicação de tratamento cirúrgico. "A paciente vai permanecer em observação e novos procedimentos serão definidos de acordo com a evolução do quadro clínico", afirmou o hospital. O próximo boletim será divulgado nesta terça-feira, às 10 horas.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.