Humor e rock na moda infantil

Bodies, macacões, touquinhas e outras peças agora também ostentam caveiras, nomes de bandas e frases provocativas

Irene Ruberti ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2010 | 00h00

Tons pastel, babados e estampas de bichinhos predominam em seções de roupas para bebês. Mas quem busca peças diferentes já acha opções mais modernas e divertidas. Com um pé no rock e outro no humor, marcas fazem sucesso investindo em novidades.

Pais roqueiros têm opções de bandas estampando bodies e camisetas infantis. "A dos Beatles é a que sai mais", conta Patrícia Lozer, dona da Cubo, na Pompeia, zona oeste da capital. A loja também tem opções com AC/DC, Rolling Stones, Led Zeppelin e Elvis Presley, por R$ 29. "A procura tem sido muito boa", afirma Patrícia, que já vendia as mesmas camisetas para adultos. As peças estão disponíveis em branco, vermelho e preto, cor tabu no enxoval dos bebês. "Até avós vêm aqui comprar presentes para netos e acham legal."

Com apenas 9 meses, Ellen Amélia Laforga Preen já desfila com bodies dos Ramones e Beatles e deve ganhar, em breve, um com estampa de caveirinhas. "A maioria das roupas para meninas é rosinha, lilás, é quase impossível achar alguma coisa preta", diz a mãe, a empresária Ana Cláudia Laforga. Ellen faz sucesso com visual roqueiro, principalmente quando sai com o pai, que tem várias tatuagens e usa cabelo moicano. "As pessoas acham divertido", comenta Ana Cláudia.

Na Galeria do Rock, no centro de São Paulo, também há versões mini de camisetas de banda de rock. A Loja KG Rock Wear vende bodies por R$ 17 e camisetas infantis por R$ 15. As mais procuradas são as que estampam Iron Maiden, Ramones e AC/DC.

A loja virtual Baby Rock aposta em estampas de bandas, guitarras e baterias nas peças infantis. Há variações divertidas, como a estampa que imita tatuagem com a inscrição "papai", ossinhos do tórax como se fosse raio X, ou a frase "eu curto rock com a mamãe", também na versão "com meu pai". Os preços dos bodies variam de R$ 36,90 a R$ 42. A marca também tem meias, calças, bermudas, camisetas e touca, tudo no melhor estilo metaleiro.

"Tinha dificuldade em encontrar coisas diferentes e me incomodava não ter opção", lembra a dona da Baby Rock, Renata Morales Villela, mãe de três filhos. Fã de rock, ela começou a bolar estampas e desenhos, com foco em bebês. "Tive preocupação de procurar boas malhas, usar tintas à base de água para não provocar alergia e buscar modelagens confortáveis."

A iniciativa deu certo e, desde que surgiu, há um ano e meio, só tem visto crescer o número de clientes. "A aceitação surpreendeu e não são só roqueiros que gostam." Além de se inspirar no rock"n"roll, a marca carioca Q-Vizu aposta em tiradas bem-humoradas. "Nas primeiras coleções, a gente ainda tinha medo, ficava com receio de que os pais achassem agressivo", explica a dona, Renata Grimberg, que cria peças com o irmão. O primeiro teste foi um body com a inscrição "Dane-se o leite. Cadê meu uísque?". A peça fez tanto sucesso que esgotou e a loja chegou a fazer lista de espera. "Aí percebemos que os pais buscavam mesmo esse despojamento e ficamos mais à vontade."

Com o sucesso dos bodies e camisetas (R$ 59), a marca ampliou a linha de produtos infantis com sapatinhos (R$ 69), tapa-fraldas (R$ 39), babadores (R$ 29) e slings - acessórios para carregar bebês junto ao corpo (R$ 159).

As criações da Q-Vizu foram parar até em Londres. De passagem pelo Brasil, o representante de uma multimarcas gostou das peças e encomendou. Uma das que mais têm feito sucesso é o body com a frase "Estive preso por 9 meses", em tecido listrado em alusão a uniformes de presidiários.

Mãe de três crianças, a advogada Adriana Cristina dos Santos Ribeiro passeava pelo Pátio Higienópolis quando as peças divertidas da Q-Vizu chamaram sua atenção. O filho mais velho, Guilherme, de 5 anos, gosta especialmente das camisetas que imitam as roupas dos super-heróis. "Quando ele vai ao playground usando as camisetas, as crianças ficam alucinadas."

Os gêmeos Felipe e Gabriela, de 1 ano e meio, também entraram na moda. A menina ganhou camisetinhas que imitam as roupas da Branca de Neve e da Minnie e, quando era menor, usou um body com a inscrição "Sou a ovelha rosa da família". "É muito bom ter uma opção diferente, estimula até a imaginação das crianças", elogia Adriana, que presenteou as sobrinhas com bodies com aplicação de tule e a inscrição "futura bailarina".

Descontente com as opções que encontrava nas lojas, Bruna Arkalji resolveu criar em parceria com a irmã roupas mais divertidas e inovadoras para crianças. "Não achava coisas bacanas no mercado, aí surgiu a ideia de fazer uma loja para bebês." Assim surgiu a Nosh, que investe em muitas cores e estampas de monstrinhos.

Um dos sucessos da marca é o porta-bebê (R$ 380), um saco de pano multifunções: pode ser usado para cobrir a criança, vira também um trocador e serve ainda como porta-pijama ou porta-fraldas. Um dos destaques da coleção passada foi uma camiseta com um morcego que tinha aplicação de olhos que se mexem, como os de boneca. Para os pequenos, há calças com estampas de coração no bumbum, por R$ 92. "A primeira coleção, há dois anos, foi só com roupas para bebezinhos, mas as mães começaram a pedir peças também para filhos maiores. A numeração foi aumentando e hoje veste crianças de até 6 anos", afirma Bruna.

A grife Mini Humanos se baseia no tripé cultura, etnia e música para criar as coleções. A inspiração pode vir do distante Vietnã, da arte naïf ou do trabalho do arquiteto Oscar Niemeyer, que tem esboços de obras estampando casacos infantis (R$ 89 o tamanho até 12 meses), entre outras peças. Também há babadores em homenagem a Santos Dumont (R$ 25) e body do Jimi Hendrix (R$ 55). Literatura de cordel, lendas amazônicas e até a releitura de Alice no País das Maravilhas por uma grafiteira estampam peças para bebês e crianças.

A Mini Humanos também vende pela internet. Assim como a Q-Vizu, tem peças iguais para adultos e crianças, pais e filhos que queiram sair usando a mesma roupa.

Sacola verde

A ideia é brincar de jardineiro e valorizar o meio ambiente. O kit vem com avental, pá, rastelo, argila expandida, semente e caixa de madeira.

Design

O urso polar é uma estante de madeira. Tem 1,55 m x 2,06 m.

Minimotor

O Pelicano atinge 5 metros. Funciona com bateria e controle remoto. A autonomia é de 15 minutos de voo.

Decoração

Feito no Nepal, o tapete de baleias, de lã e seda, faz parte de uma série com ilustrações diferenciadas. Tem modelos com borboletas, flores, insetos e até com o monstro japonês Godzila.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.