Hotel resgata a sofisticação dos anos 1920

Espaço passou por reforma de R$ 12 mi, mas enfrenta uma série de reclamações por[br]parte da vizinhança

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2011 | 00h00

Inaugurado em setembro de 2008, depois de passar por uma reforma de R$ 12 milhões, o Hotel Santa Teresa recuperou grande parte da sofisticação que tinha nos anos 20, quando hospedava tradicionais famílias brasileiras e estrangeiras em visita ao Rio. O bairro também já começa a ganhar a atenção internacional. Com o charme, no entanto, vieram os problemas: moradores e novos donos brigam na Justiça desde o início das obras.

Primeiro, a reclamação era contra a descaracterização da Chácara dos Guimarães e do casarão da segunda metade do século 19, tombado pelo patrimônio municipal. Agora, o barulho e o movimento de carros são as maiores dores de cabeça da vizinhança. Os proprietários, por sua vez, processaram um grupo de moradores por considerarem que houve abuso nas manifestações contra o empreendimento.

Em uma das entradas, uma faixa de protesto contra o som alto e o estacionamento improvisado foi estendida pela associação de moradores.

Mas para quem não mora no bairro e está distante das desavenças o hotel escolhido por Amy Winehouse para a temporada no Rio é sinônimo de bom gosto e preços altos. Os 44 quartos oferecem bela vista da cidade e são decorados com peças rústicas e ecológicas de prestigiados artistas e ateliês brasileiros. As diárias variam de R$ 750 a R$ 3 mil. Casais têm opções de pacotes com direito a café da manhã ou jantar, dependendo de quanto estiverem dispostos a gastar.

No mesmo espaço do hotel, aberto a não hóspedes, ficam um spa, o Bar dos Descasados e o restaurante Térèze, igualmente charmosos e caros. O bar é uma homenagem ao antigo Hotel dos Descasados, apelido que ganhou nos anos 80 quando, já decadente, hospedava grande parte dos recém-separados da cidade. Tinha como atrativos o preço razoável e o fato de ficar no coração de Santa Teresa, reduto dos artistas, boêmios e saudosos do movimento hippie.

De tão alternativo e fora do circuito Copacabana-Ipanema-Leblon, o bairro na zona central da cidade acabou virando ponto obrigatório para os turistas e é destaque na maioria dos guias da cidade. Nos últimos dois anos, ganhou um novo perfil - menos "bicho-grilo" e mais moderno - com a reinauguração do Hotel Santa Teresa e de algumas pousadas de luxo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.