Horário de verão acaba à meia-noite do próximo sábado

Relógios deverão ser atrasados uma hora em dez Estados (SP, RJ, MG, ES, GO, MT, MS, RS, SC e PR) e no Distrito Federal

, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2011 | 00h00

O horário de verão termina nesta semana em Brasília e em dez Estados das Regiões Sudeste (São Paulo, Rio, Minas e Espírito Santo), Centro-Oeste (Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) e Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná). À meia-noite de sábado, os relógios deverão ser atrasados em uma hora.

No verão passado, o consumo de energia no horário de pico foi 4,4% menor no Sudeste e Centro-Oeste. O porcentual equivale ao abastecimento de uma cidade com 5 milhões de habitantes no período. A alteração não é feita nas Regiões Norte e Nordeste, por causa do ganho considerado pequeno, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

No Brasil, o horário de verão - que surgiu de uma ideia dada pelo inventor americano Benjamin Franklin em 1784 - foi adotado pela primeira vez em outubro de 1931, atingindo todo o território nacional. Desde 1985, o sistema é adotado anualmente, mas com abrangência sucessivas vezes reduzida - em 2003, chegou ao atual formato.

Desde 2008, foram estabelecidas datas fixas para o início e o término da modificação. Assim, o horário de verão sempre começará à zero hora do terceiro domingo de outubro, para terminar à meia-noite do terceiro sábado de fevereiro do ano seguinte - a menos que seja o sábado de carnaval, quando então o fim do horário será adiado para o sábado seguinte.

PARA ENTENDER

Com a adoção do horário de verão, há melhor aproveitamento da luz natural, proporcionando diminuição na geração de energia elétrica para a iluminação artificial - o que beneficia tanto o setor público quanto o setor privado. Para o Operador Nacional do Sistema Elétrico, o principal objetivo é a redução da demanda máxima no horário de ponta. Com a alteração feita no fim do ano, o horário de rush, normalmente entre 18h e 21h, é deslocado para o período das 19h às 22h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.