Hopi Hari vai reabrir domingo, após ficar fechado desde o dia 2

Fechamento ocorreu para que brinquedos passassem por perícia após morte de adolescente, em fevereiro

ROSE MARY DE SOUZA , ESPECIAL PARA O ESTADO, CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

23 Março 2012 | 03h05

O parque de diversões Hopi Hari, na Rodovia dos Bandeirantes, em Vinhedo, interior de São Paulo, anunciou em nota oficial ontem que vai reabrir domingo, das 11h às 19h. O estabelecimento está fechado desde o dia 2, após acordo com o Ministério Público Estadual para que 14 brinquedos passassem por fiscalização.

Dia 24 de fevereiro, a adolescente Gabriella Nichimura, de 14 anos, morreu ao cair do brinquedo La Tour Eiffel. Ela sentou em um cadeira que estava desativada há 10 anos.

Segundo a nota do Hopi Hari, o período de fechamento foi suficiente para atender às determinações firmadas pelo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público. As atrações foram vistoriadas por uma força-tarefa composta por peritos do Ministério Público do Trabalho, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Corpo de Bombeiros e a empresa alemã TÜV SÜD Industrie Service, que faz auditoria em grandes parques do mundo.

A família de Gabriella afirma não ser contra a retomada das atividades do Hopi Hari, desde que os brinquedos não apresentem risco aos frequentadores.

Novo TAC. Mesmo com a reabertura do Hopi Hari, o Ministério Público está propondo um novo acordo com a assinatura de outro Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o parque.

Neste documento, que ainda está em fase de finalização, o MP solicita adequações e aperfeiçoamentos na manipulação dos brinquedos. O MP pede a adoção de procedimentos de segurança que incluem desde uma simples pintura de faixa de alerta até treinamento de funcionários, redução de ruídos e limpeza de vazamento de resíduos de óleo em rolamentos, entre outros itens.

Tragédia. Gabriella morava no Japão com os pais e passava férias no Brasil. No dia 24 de fevereiro, os três e mais uma prima foram ao Hopi Hari. Os quatro ocuparam o mesmo conjunto de assentos do La Tour Eiffel. A cadeira de Gabriella, porém, estava com a trava desativada e não poderia ser usada. A menina despencou de uma altura de cerca de 20 metros.

A polícia ouviu depoimentos dos funcionários do Hopi Hari que atuavam no brinquedo quando aconteceu a morte de Gabriella. Os cinco admitiram saber da trava desativada no assento da adolescente e disseram ter alertado os superiores sobre o problema. Mas entraram em contradição ao relatar o que cada um fazia na hora da tragédia e a quem caberia supervisionar a entrada.

O vice-presidente do Hopi Hari, Claudio Guimarães, afirmou que um conjunto de falhas sucessivas e somadas causou a tragédia. Ele afirmou que a direção do parque não soube que o assento que ficava travado estava abrindo. "A informação sobre o problema não chegou à direção", disse Guimarães.

O inquérito deve ficar pronto em 30 dias.

Acordo. Os advogados do Hopi Hari estudam um acordo com a família de Gabriella. O advogado da família, Ademar Gomes, cogita pedir indenização de R$ 2 milhões por danos morais e materiais. A informação sobre o acordo que deverá ser proposto para evitar uma ação judicial de indenização foi confirmada pelo advogado do Hopi Hari, Alberto Zacharias Toron.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.