Hopi Hari passa agora a checar travas 2 vezes

Procedimento será feito nas montanhas-russas do parque; Torre Eiffel, onde garota morreu, seguirá fechada

Entrevista com

CAMILA BRUNELLI , O Estado de S.Paulo

24 Março 2012 | 03h03

O Hopi Hari vai reabrir neste domingo, depois de 20 dias fechado para vistorias em 14 brinquedos, após a morte de Gabriella Nichimura, de 14 anos, em 24 de fevereiro. Na tarde de sexta-feira, o vice-presidente do parque, Claudio Guimarães, falou ao Estado sobre o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado com o Ministério Público para garantir a segurança no local.

ESTADO: O parque abre neste domingo. Quais mudanças vão ocorrer na rotina de atendimento e de segurança?

Claudio Guimarães: Há melhorias contínuas que o parque sempre faz, buscando segurança e procedimentos melhores. Algumas delas já estão no TAC que nós assinamos (com o Ministério Público).

ESTADO: Pode citar algumas?

Claudio Guimarães: Nos brinquedos Montezum e Vurang (as duas montanhas-russas), por exemplo, nós vamos adotar a checagem dupla. Um funcionário vai checar, depois vem um outro e verifica novamente a trava.

ESTADO: Esse procedimento não era adotado?

Claudio Guimarães: Não, a checagem era única, como ocorre nos principais parques do mundo.

ESTADO: O que está sendo realizado na Torre Eiffel agora, onde Gabriella morreu?

Claudio Guimarães: Está parada, ficará parada até o fim das investigações.

ESTADO: Algo será feito na torre?

Claudio Guimarães: No TAC, há uma recomendação de contratarmos um especialista para verificar nosso processo de treinamento e identificar se existem pontos em que possam ser feitas melhorias.

ESTADO: Há alguma nova norma de segurança para o parque?

Claudio Guimarães: Não, continuamos com o sistema de segurança integrado.

ESTADO: Como ele funciona?

Claudio Guimarães: Há procedimentos de segurança em todo o processo, seja ele na manutenção, durante a operação ou nas instruções em que falamos para os visitantes - durante o processo de embarque e desembarque. É um processo integrado que garante a segurança do nosso visitante.

ESTADO: A vistoria não identificou nenhum problema na segurança do parque até agora?

Claudio Guimarães: Não.

ESTADO: O parque já foi procurado pelos advogados da família da vítima? Não. Acredito que a principal preocupação deles, e da gente, seja investigar o que aconteceu.

Claudio Guimarães: A família chegou a dizer que o parque se omitiu no caso...

Nós demos toda a assistência até o sábado (dia 3), quando eles preferiram seguir sozinhos para Guarulhos. Depois disso, diariamente, entrávamos em contato. Continuamos abertos para oferecer assistência no que for necessário.

ESTADO: A parceria que estava prevista com a Warner foi comprometida?

 

Claudio Guimarães: Segundo comunicado da própria Warner, não. Continua sendo feita a reforma e nova tematização do parque.

ESTADO: E o Domingo no Parque, programa do SBT?

Claudio Guimarães: A data de estreia foi adiada (seria em 25 de fevereiro, com base na parceria com a Warner) e, nesse processo, não falamos mais. Nós gostaríamos que fosse mantido, mas ainda não conversamos com a emissora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.