Hopi Hari: engenheiro diz que pane é 'impossível'

O engenheiro de manutenção do parque de diversões Hopi Hari considerou "impossível" uma falha mecânica no brinquedo La Tour Eiffel - aparelho de onde caiu Gabriella Yukari Nichimura, de 14 anos, que morreu na sexta-feira. O funcionário, que não teve o nome divulgado, prestou depoimento ontem na delegacia de Vinhedo, no interior paulista.

TATIANA FÁVARO / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

29 de fevereiro de 2012 | 03h05

O depoimento do funcionário reforça a principal hipótese levantada pela Polícia Civil e pela Promotoria para explicar o acidente: a de falha humana.

O delegado Álvaro Noventa Júnior deve ouvir os pais de Gabriella, gerentes do parque e os cinco operadores do brinquedo nos próximos dias. Segundo o delegado, as datas ainda não estão definidas porque os pais da menina estão muito abalados e os funcionários da atração La Tour Eiffel foram afastados de suas atividades profissionais por orientação médica, para receber acompanhamento psicológico.

O engenheiro do Hopi Hari falou por aproximadamente três horas ao delegado e aos promotores Rogério Sanches (Criminal) e Ana Beatriz Sampaio Silva Vieira (Consumidor).

Defesa. Segundo o advogado do Hopi Hari, Alberto Zacharias Toron, o engenheiro tem vasta experiência no ramo e, para ele, uma falha mecânica não seria possível, uma vez que os brinquedos passam por inspeções muito rigorosas e vistorias diárias.

Toron diz que o parque "estranha" a hipótese de falha humana, já que seus funcionários passam por treinamentos.

Durante os testes da perícia, realizadas na sexta e anteontem, todas as cadeiras aptas a funcionar estavam com os dois equipamentos de segurança: uma trava e um cinto. A suspeita é de que, no dia do acidente, o cinto de Gabriela deixou de ser afivelado ou não estava instalado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.