Homônimo causa prejuízo

PREFEITURA COBRA MAIS DE R$ 60 MIL DE IDOSO

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2011 | 03h02

Tenho 73 anos, sou aposentado, mas ainda trabalho para poder complementar minha renda. Em dezembro de 2009, recebi uma cobrança da Prefeitura sobre 3 imóveis registrados no número de meu CPF. Tive de ir aos cartórios onde eles estavam registrados, gastando R$ 150 para retirar as escrituras e provar que a dívida não é minha. Porém, descobri que há 33 imóveis com pendências no meu CPF numa dívida de mais de R$ 60 mil. Não tenho condições financeiras para ir em todos os cartórios e solicitar as escrituras desses imóveis. Em 11/4, houve um bloqueio judicial em minha conta corrente referente à dívida de um imóvel, na Vila Ferreira, que não é meu! O valor de

R$ 1.768,95 ainda está retido. Em 8/6, foi aberto um processo administrativo na Secretaria dos Negócios Jurídicos da Procuradoria-Geral do Município, entretanto, ainda aguardo uma decisão da Prefeitura. No dia 9/8, recebi a cobrança de outro imóvel e tenho receio de novamente sofrer um bloqueio judicial. Funcionários do setor de cadastro disseram que, quando houve uma atualização no sistema em 2009, deve ter ocorrido um equívoco quando cruzaram os dados do CPF com os da Prefeitura, pois eu tenho vários homônimos. Não tenho condições para pagar um advogado e não acho justo ter de pagar por um erro que não é meu.

JOSÉ VIEIRA / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal de Finanças não respondeu.

O leitor reclama: Ainda aguardo uma resposta da Prefeitura. Creio que já houve tempo suficiente para fazer as pesquisas necessárias para a Prefeitura se pronunciar.

VILA LEOPOLDINA

Falta de inclusão social

A calçada da Rua Bauman, entre os números 500 e 1.250, na Vila Leopoldina, a 100 metros do Ceagesp, está muito suja e há muitos moradores de rua. Alguns deles fazem suas necessidades fisiológicas no local. Onde estão os projetos de inclusão social da Prefeitura?

ADALBERTO ANGELO CUSTÓDIO

/ SÃO PAULO

A Subprefeitura da Lapa informa que a Rua Bauman é varrida 3 vezes por semana e a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social esclarece que faz constantes trabalhos de abordagem com essas pessoas com o objetivo de encaminhá-las aos equipamentos sociais. Explica que a transferência desses cidadãos não pode ser feita de forma compulsória, apenas em casos considerados extremamente necessários por lei. Adverte que a multa pelo descarte de entulho irregular em vias públicas é de R$ 12 mil.

O leitor informou que tudo continua exatamente igual.

RADARES

Sugestão para a CET

Em 17/9, mãe e filha morreram atropeladas na Marginal do Pinheiros em frente ao Shopping Villa-Lobos. Lá só existe um radar fotográfico localizado na Ponte do Jaguaré. Outros deveriam ser instalados. Antes da entrada da via local para a Ponte Cidade Universitária, sentido Castelo, há a saída da Av. dos Semaneiros. Muitos carros vindos da marginal estão em alta velocidade e dificultam o acesso daqueles que vêm dessa rua.

JOSÉ TADEU PICOLO ZANONI

/ SÃO PAULO

A CET não respondeu.

O leitor comenta: Reitero a minha sugestão.

SEM MURO-ASSALTOS

Parque Cidade de Toronto

O muro, que fica ao lado da Rodovia dos Bandeirantes, do Parque Cidade de Toronto caiu. Criminosos entram por lá e assaltam quem está no parque. CELSO FERENCZI / SÃO PAULO

A Secretaria da Coordenação das Subprefeituras não respondeu.

O leitor desabafa: Registrei queixas na Prefeitura e um Boletim de Ocorrência, mas não houve nenhum contato.

ATENTADO AO PUDOR

Prostituição em Moema

Quase todas as noites, depois das 21 horas, nas Ruas Açocê, Guaramomis e Jamaris, em Moema, há uma meia dúzia de travestis vestindo capas pretas. Quando passamos de carro, eles abrem a capa para mostrar os seus corpos nus. Isso não é atentado ao pudor? Já liguei para o 190, mas não sei se alguma coisa é feita depois que eu

vou dormir.

FLÁVIO RAMALHO / SÃO PAULO

A Polícia Militar esclarece que mantém rondas no bairro para coibir o cometimento de ilícitos como o atentado ao pudor. Esclarece que, se a pessoa não for surpreendida em flagrante delito, ela não pode ser presa pelo simples fato de estar parada na rua. Explica que as vítimas devem ir a uma delegacia registrar sua queixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.