Homofobia: Sé e República têm mais denúncias

Levantamento da Coordenação de Assuntos da Diversidade Sexual (Cads), ligada à Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura, mostra que ruas da Sé e República, no centro da capital, são as que mais receberam denúncias de discriminação homofóbica entre 2006 e 2009.

, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2010 | 00h00

Das 161 denúncias mapeadas pelo Cads na cidade, 27, ou 16% do total, foram registradas em ruas da região. "Trata-se de área vulnerável, com prostituição e pequenos traficantes de drogas. A população LGBT que fica na rua nessas áreas é bastante vulnerável por causa desse padrão", avaliou o coordenador geral da Cads, Franco Reinaudo.

Entre as denúncias na área, 10 foram de agressão física. "Mas sabemos que o mapeamento não representa exatamente a homofobia da cidade, apenas das denúncias que recebemos", ressalva. Exemplo disso é que, no mapeamento da Cads, quase não há focos de discriminação na periferia. "Não se denuncia, principalmente, por medo de sofrer uma dupla violência, de ser agredido verbalmente ao relatar o que aconteceu", disse.

No total, foram recebidas 316 denúncias de homofobia - nem todas puderam ser mapeadas, por não constar localização. A maioria dos casos denunciados de violência física e verbal ocorreram em espaços públicos - 180, ou 56% do total. O segundo local mais frequente foi o espaço doméstico (57 casos.) V.H.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.