Homem vive de tapar buraco em estradas

Há cinco anos, motorista do Pará mantém a família fazendo serviço que cabe ao governo

Carlos Mendes / BELÉM, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2010 | 00h00

O motorista Raimundo Nonato Sacramenta, de 53 anos, não faz outra coisa na vida a não ser tapar buracos de estradas do Pará. E isso há mais de cinco anos, dois deles na rodovia PA-151, conhecida por Alça Viária, que dá acesso à PA-150, estrada de 762 km que liga o norte ao sul do Estado. Ele chega a faturar até R$ 30 por dia de motoristas. Com esse dinheiro, alimenta os dois filhos.

Chamado também de Ceará e Governador, Sacramenta cumpre uma rotina estafante, sob um calor amazônico de 38 graus. Às 5 horas, já põe os pés na estrada. Distribui pequenos montes de piçarra e pedras pelos trechos que considera críticos. Depois, isola o local de serviço com cones de sinalização. Em seguida, usa as próprias sandálias de borracha para retirar água dos buracos que pretende tapar. Por fim, carrega com as mãos as pedras para levá-las até os buracos. Motoristas param para olhar o trabalho e ajudam, esmagando as pedras com as rodas dos veículos. Feita a "compactação" do solo, o arremate é jogar a piçarra no buraco. Pronto, está feito o serviço.

Pena que vai durar só alguns dias. A chuva e o tráfego de veículos pesados se encarregarão de destruir o trabalho de formiguinha. Teimoso, Sacramenta não se importa em começar tudo de novo. "A governadora (Ana Júlia Carepa) me deu um "emprego" e fico muito grato, mas quem trabalha e tapa buraco de estrada sou eu", ironiza.

No mesmo local em que o motorista tapa buracos, uma placa do governo anuncia R$ 32 milhões para recuperar "trechos críticos", no prazo de 304 dias. Não se vê, porém, qualquer máquina fazendo o serviço descrito ao longo da rodovia. "A Alça Viária é um horror. O governo devia se sentir envergonhado por não fazer nada aqui", disse o motorista Dário Venturine. O caminhoneiro Sandoval Miranda também critica a situação da rodovia, arrematando que Sacramenta "é um herói, que vale por uma secretaria inteira de governo".

Governo. Em nota, o governo do Pará, por intermédio da Secretaria Estadual de Transportes, informou que duas empresas foram contratadas para começar, na próxima semana, a recuperação da Alça Viária. "As obras se concentrarão nos pontos críticos, com remoção do asfalto velho, recomposição da base da rodovia e pavimentação com asfalto novo nos trechos mais necessários." Serão investidos R$ 15 milhões nas obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.