Homem que matou a ex-mulher e namorado dela no batizado do filho é condenado a 40 anos

O crime aconteceu em fevereiro deste ano, dentro de uma igreja em Guarulhos, e foi julgado no fórum da cidade da Grande São Paulo

O Estado de S. Paulo

31 Julho 2014 | 10h11

SÃO PAULO - O homem que assassinou a ex-mulher e o namorado dela durante o batizado do próprio filho, em fevereiro, foi condenado a 40 anos, sete meses e 15 dias de prisão pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. O caso foi julgado no Fórum de Guarulhos e concluído nesta quarta-feira, 30.

O gráfico Pedro Félix dos Santos, de 45 anos, foi considerado culpado pela morte da ex-mulher, a auxiliar de expedição Viviane Rosa dos Santos, de 34 anos, e do motorista Rosildo Donizeti Pereira, com quem ela se relacionava há seis meses. Os dois foram assassinados com tiro na cabeça dentro de uma igreja em Guarulhos. A pena para o primeiro crime é de 21 anos, dez meses e 15 dias, e de 18 anos e nove meses para o segundo. O total é referente à soma das duas sentenças.

O advogado de defesa do réu, Ernesto Coutinho Júnior, afirmou que a pena é “esdrúxula” e vai recorrer da decisão. “Os senhores jurados não entenderam que não houve motivo torpe, porque o ato foi no calor da emoção - e não premeditado. Há uma história por trás. Uma tragédia não acontece do dia para noite”, afirma.

Segundo o advogado, Pedro Félix dos Santos sempre teve dificuldade para ter namoradas e conheceu a ex-mulher em uma casa noturna, onde era seu cliente. “Ele deu honra, casa e dignidade a ela. Depois, ela passou por uma mudança comportamental e começou a traí-lo com um rapaz mais novo”, diz. O rapaz seria Rosildo Donizeti Pereira.

Com o novo relacionamento, Viviane teria trocado os cadeados de casa e também impedido o ex-marido de encontrar o filho do casal, Gustavo. Ainda de acordo com o advogado de defesa, Pedro Félix dos Santos foi ameaçado por Rosildo Donizeti Pereira que teria dito, dias antes do batismo do filho, que o mataria caso ele resolvesse comparecer à cerimônia. A partir desse episódio, afirma, o gráfico passou a andar armado.

Dez dias após o crime, Pedro Félix dos Santos se entregou à Polícia Civil, no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo. Desde então, o gráfico cumpre prisão preventiva no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros. Não há previsão de transferência para uma penitenciária porque o caso ainda vai ser julgado em segunda instância, na capital.

Crime. Pedro Félix dos Santos teria sido ameaçado para não ir à cerimônia de batizado do seu filho de seis anos, mas foi até a Igreja São Francisco de Assis, no bairro Pimentas, em Guarulhos, mesmo assim.

Durante o batismo, Rosildo Donizeti Pereira foi quem subiu no altar da igreja como pai da criança. Incomodado, Pedro Félix dos Santos voltou para o carro, onde a armar estava guardada. Depois, voltou para igreja e disparou um revólver calibre 38 contra Viviane Rosa dos Santos, mãe do menino, e o namorado dela. Os dois foram atingidos na cabeça.

Antes de sair da igreja, Pedro efetuou mais disparos e feriu outras três pessoas. Viviane morreu na hora e Rosildo ainda chegou a ser levado para o Hospital Santa Marcelina, mas não resistiu. As outras três vítimas foram atendidas no Pronto Socorro dos Pimentas, em Guarulhos.

“Certamente foi um crime premeditado”, afirmou na época o delegado João Blase, do 4º Distrito Policial de Guarulhos (Angélica I - Pimentas), após ouvir as primeiras testemunhas do caso. O advogado de defesa, Ernesto Coutinho Júnior, discorda. “Se fosse premeditado, ele não teria guardado a arma no carro. Ele foi buscá-la porque estava sendo provocado por Rosildo com atos de deboche e sarcasmo.”

Na delegacia, já havia pelo menos três boletins de ocorrência envolvendo o casal. Em 2005, Viviane prestou queixa contra o ex-marido por lesão corporal e ameaça. Em 2011, foi ele quem a acusou de ameaça. Em 2012, Viviane relatou desobediência à Lei Maria da Penha, afirmando que o ex-marido descumpriu ordem de se manter afastado dela. No último boletim de ocorrência, Viviane relatava que Pedro estava bebendo e agindo com agressividade.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Guarulhos Condenado Homicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.