Homem que atropelou mãe e filha na calçada é solto em São Paulo

Rapaz de 33 anos matou as duas pedestres na calçada do shopping Villa-Lobos, no dia 17 de setembro

Priscila Trindade, estadão.com.br

03 Outubro 2011 | 18h32

SÃO PAULO - Foi solto na tarde desta segunda-feira, 3, o bibliotecário Marcos Alexandre Martins, de 33 anos, preso em flagrante no último dia 17, depois de atropelar e matar duas pedestres - mãe e filha - na calçada do Shopping Villa-Lobos, em Alto de Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A decisão do relaxamento de prisão é do juiz Emanuel Brandão Filho é da última sexta-feira, 30.

O magistrado determinou medidas cautelares para Martins como a suspensão da habilitação para dirigir, enquanto durarem as investigações e tramitar o eventual e futuro processo judicial. Além disso, ele deverá comparecer a cada três meses em juízo e está proibido de se ausentar da cidade sem autorização judicial. O bibliotecário terá, ainda, de ficar em casa a partir das 21 horas. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), ele estava na Penitenciária II de Tremembé e foi solto às 16h30 por determinação da Justiça.

Martins dirigia um Golf preto em alta velocidade pela pista local da Marginal do Pinheiros quando atropelou a dona de casa Miriam Afif José Baltresca, de 58 anos, e advogada Bruna Baltresca, de 28 anos, na altura do número 4.777 da Avenida Nações Unidas. Mãe e filha caminhavam na calçada da pista local da Marginal após saírem do shopping, por volta das 22 horas. O impacto do atropelamento foi tão forte que Martins ficou preso nas ferragens de seu Golf, destruído na colisão. Miriam e Bruna Baltresca foram jogadas contra o muro do shopping - uma delas morreu na hora e a outra, a caminho da Santa Casa.

Policiais militares que estiveram no local afirmaram que , Marcos Alexandre Martins apresentava sinais de embriaguez. Ele se recusou a fazer o teste do bafômetro. O velocímetro dirigido por ele marcava 100 km/h após a batida.

Mais conteúdo sobre:
mãe filha homicídio soltura Villa-Lobos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.